Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 18 de fevereiro de 2019 - 10:39


Como ser homem no mundo de hoje?

Os tempos modernos trouxeram uma nova maneira de abordar a figura masculina. Saiba o que fazer quanto a isso

O tema favorito dela é a carreira profissional, ela é extremamente preocupada com a aparência física e ostenta sem dó um ar agressivo e mandão. Aliás, ela paga para entrar em uma competição, principalmente se for contra um “machista opressor”. O objetivo dela é claro: ela quer ser uma mulher independente. Você está diante do que se convencionou chamar por aí de “mulher empoderada”.

Esse comportamento é novo na história da humanidade. Desde os primórdios, o papel do homem e da mulher – sem um acordo formal nem assinatura de ambas partes – estava predeterminado pela biologia. Era praticamente intuitivo saber que ele teria de usar sua força física e capacidade de sobrevivência para prover a sua família e protegê-la; enquanto ela cuidaria da casa e dos filhos.

Contudo, depois de muito tempo, a sociedade ganhou uma roupagem nova com a ocorrência de alguns eventos significativos. Por exemplo, duas Guerras Mundiais e o avanço da industrialização, ambos acompanhados de uma mudança de mentalidade quanto à atuação do homem e da mulher nesse novo ambiente. Até então não havia uma ideia clara, como a que se tem hoje, sobre o que é ser homem e mulher. O termo “sexualidade”, por exemplo, passou a circular neste mundo apenas em meados do século 19 entre os estudiosos.

Com essa nova realidade, as mulheres passaram a ocupar mais postos de trabalho. Consequentemente, a função de prover a família não era mais exclusiva do homem. É aqui que a “mulher empoderada” começa a ser formada.

Diante desse cenário, o homem contemporâneo tenta se adaptar a essa perda de espaço e mudança de função. É cada vez mais frequente o relato de problemas conjugais entre homens anulados e mulheres modernas.

Então, como você, homem, pode lidar com isso? Primeiro, é preciso entender que não adianta ficar amuado no canto enquanto a figura feminina segue esse novo curso. O problema não é a mulher ascender profissionalmente ou ganhar “direitos iguais” aos dos homens, por exemplo – elas têm que ter direitos –, mas o individualismo que está crescendo dentro dos relacionamentos amorosos e a guerra entre mulheres e homens causada por isso. Os direitos e os deveres devem ser cumpridos pelos dois lados. E, como em qualquer relacionamento – amoroso ou fraternal -, o segredo está em saber se colocar no lugar do outro, ou seja, praticar a chamada “empatia”.

Parceiro, não se faça de vítima. Um homem excelente conhece suas fraquezas e sabe lapidá-las para se tornar uma pessoa melhor. Ele tem sonhos e trabalha de maneira inteligente e com disciplina para alcançar o que deseja. Seja esse tipo de homem.

O Projeto IntelliMen pode lhe ajudar nessa tarefa. São 53 desafios, em formato de coaching (treinamento), que vão impulsionar o seu desenvolvimento pessoal. Para obter mais informações, acesse intellimen.com e leia o manifesto.


  • Daniel Cruz / Foto: Fotolia 


reportar erro