Rede aleluia
Como não “explodir” diante da pressão causada pela pandemia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 14 de maio de 2020 - 13:53


Como não “explodir” diante da pressão causada pela pandemia

É preciso utilizar o canal de escape adequado

Como não “explodir” diante da pressão causada pela pandemia

Embora sejam usadas para combater a pandemia da COVID-19, as estratégias de isolamento social, quarentena e lockdown têm acentuado os problemas sociais que já existiam pelo mundo.

No Brasil, um estudo da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) indicou que a depressão, por exemplo, duplicou entre os brasileiros, durante a quarentena.

Segundo o professor Alberto Filgueiras, chefe da pesquisa, ocorreu um avanço significativo dos dados relacionados à saúde mental dos brasileiros: “A prevalência de pessoas com estresse agudo na primeira coleta de dados foi de 6,9% contra 9,7%, na segunda. Para depressão, os números saltaram de 4,2% para 8,0%. Por último, no caso de crise aguda de ansiedade, vimos sair de 8,7% na primeira coleta para 14,9%, na segunda coleta”.

Assunto sério

Vale lembrar que a Organização Mundial da Saúde (OMS), igualmente, já apontava que 9% da população brasileira sofria com ansiedade, antes da pandemia. Assim, o País se classificava como o mais ansioso do mundo.

“A saúde mental e emocional das pessoas, durante esta pandemia, não deve ser ignorada pelas autoridades. Porque, as pessoas, neste isolamento, com a pressão causada pelos problemas financeiros, de estarem em casa com a família já tendo conflitos prévios à quarentena, por exemplo, acabam se tornando uma panela de pressão. Todo nós precisamos de um canal de escape. E quando as pessoas não sabem utilizar o canal de escape adequado, elas acabam explodindo sobre outras pessoas. Por isso, temos visto o aumento de violência doméstica, durante essa pandemia”, observou o Bispo Renato Cardoso, durante a programação “Inteligência e fé“, do dia 14 de maio.

O Bispo ainda acrescentou que o excesso de notícias negativas contribui para agravar o quadro. No início da pandemia, a OMS havia alertado, semelhantemente, para esse perigo.

O que fazer diante dos problemas?

Por fim, o Bispo esclareceu que existe um recurso mais eficaz do que gastar energia com brigas, desabafos ou violência. A solução está no Trono de Deus (Hebreus 4:16).

É por este motivo que em toda a Universal está ocorrendo o propósito especial “Domingo do Trono da Graça“. Confira no vídeo abaixo um trecho da reunião, do dia 10 de maio, em que o Bispo Renato esclareceu sobre o tema:

Acompanhe os cultos online que são transmitidos ao vivo, pela TV UniversalUniver VídeoRede Aleluia de rádio, pelos canais de televisão 21, CNT e Rede Família, além das redes sociais da Igreja (FacebookYoutube).

Domingo: 7h, 9h30, 15h e 18h.

Segunda-feira: 7h, 10h, 15h, 18h30 e 22h.

Terça a sexta-feira: 10h, 15h e 20h.

Sábado: 7h, 10h, 18h e 19h.


Como não “explodir” diante da pressão causada pela pandemia
  • Daniel Cruz / Foto: Getty Images 


reportar erro