Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 4 de novembro de 2018 - 01:05


Como combater a obesidade?

Excesso de peso já atinge mais da metade da população brasileira, segundo o Ministério da Saúde. Saiba como prevenir e tratar o problema

A obesidade atinge um número cada vez maior de brasileiros. Hoje, 18,9% da população é obesa e 54% tem sobrepeso. A obesidade entre os jovens aumentou 110% de 2007 a 2017, índice que foi quase o dobro da média nas demais faixas etárias (60%). As informações são da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção de Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), divulgada pelo Ministério da Saúde.
Por que os brasileiros estão engordando? O médico e psicólogo Roberto Debski dá algumas pistas: “as pessoas estão comendo mal, trocando alimentos naturais por produtos industrializados. Outro problema é a falta de atividade física, a vida sedentária, a ansiedade, o estresse e a redução das horas de sono”.
O cardiologista Daniel Petlik alerta que a obesidade pode levar ao desenvolvimento de várias doenças. “O excesso de peso pode aumentar o risco de hipertensão, diabetes, infarto e vários tipos de câncer, como de mama, endométrio e intestino. A obesidade é uma doença crônica.”

A obesidade está relacionada a processos inflamatórios, como explica a nutricionista esportiva e body designer Natasha Barros. “Uma pessoa com sobrepeso produz substância
s inflamatórias no corpo. A gordura inflama o corpo e dificulta o metabolismo. É como se o corpo quisesse ficar cada vez mais obeso.”
Vencer a obesidade
A empresária Alessandra Santos Conceição, de 37 anos (foto a dir.), foi diagnosticada com obesidade no início do ano. “Eu não tinha horário certo para fazer as refeições, pois ficava sentada o dia todo na frente do computador.” Ela só se preocupou com o excesso de peso depois de passar em consulta com um dentista. “Quando o dentista aplicou uma anestesia, minha pressão subiu muito. Ele me orientou a buscar um médico. Fiz exames completos e descobri que estava com gordura no fígado.”
Alessandra passou por consultas com médicos e nutricionistas e mudou os hábitos. Ela começou a comer mais frutas, legumes, verduras e cereais integrais. A empresária ainda abandonou produtos industrializados, como salgadinhos, refrigerante e fast-food. “É preciso determinação. Hoje, tenho horário para cada refeição. Comecei a fazer atividade física todos os dias e minha primeira aula começa às 6h30.”
O esforço já traz resultados. A pressão arterial dela se normalizou. Entre março e outubro, Alessandra saiu dos 102 quilos para 87 quilos. “Não tenho mais dores de cabeça, enjoo nem pressão alta. Estou mais disposta e a autoestima aumentou.” Alessandra acrescenta que busca apoio na academia, na família e nos grupos que frequenta para não perder o foco. “Os educadores físicos da academia sempre acompanham minha evolução. O Godllywood (grupo de mulheres da Universal) também me ajudou bastante com o incentivo à alimentação saudável.”

Como?
Para combater a obesidade, é importante fazer um planejamento que inclua alimentação adequada e atividade física. “Quem está acima do peso deve passar por acompanhamento com vários especialistas para cuidar do corpo e da mente. Em muitos casos, é necessário trabalhar o emocional para controlar a ansiedade”, recomenda o médico e psicólogo Roberto Debski.
A nutricionista especialista em nutrição esportiva Andréa Marim destaca que os brasileiros precisam planejar a alimentação. “A primeira dica é deixar a preguiça de lado e reservar um tempo para fazer as compras e preparar alimentos naturais. Cada pessoa precisa pensar no que vai comer e oferecer às crianças.”
Ela ainda aponta alguns vilões para a saúde: “alimentos industrializados têm altos níveis de gordura, açúcar e sódio.
Já o refrigerante é caloria vazia, não tem nada de nutriente, é totalmente artificial, é química pura. A tapioca tem tanto carboidrato quanto o pão, ou seja, se o objetivo for emagrecer, é um engano.”
Daniel Petlik diz que é necessário repensar todo o estilo de vida. “Hoje a medicina de estilo de vida tem como foco o gerenciamento do estresse, a melhora no sono, a alimentação saudável e a prática de atividade física. Tudo está interligado.”
Ele lembra que para sair do sedentarismo é preciso praticar 30 minutos de atividade física de intensidade moderada ao menos cinco vezes na semana.
Natasha Barros sugere controlar o consumo de alimentos inflamatórios, como açúcar e gorduras. “O mais importante é desinflamar o corpo para que ele se reequilibre. É importante consumir frutas, legumes, verduras, cereais e outros alimentos anti-inflamatórios. O consumo de água também deve ser maior. Além disso, é fundamental aumentar o gasto de calorias com a prática de exercícios.”


  • Rê Campbell / Fotos: Demetrio Koch 


reportar erro