Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 3 de março de 2019 - 00:05


“Cheguei à Universal em pedaços, machucada por fora e por dentro”

Alessandra Paes conheceu a cocaína aos 11 anos de idade e viveu no mundo do crime

A consultora bancária Alessandra Paes da Silva, de 43 anos, conheceu as drogas aos 11 anos de idade. “Na adolescência, trabalhei em um escritório de advogados renomados e eles me apresentaram a cocaína. Várias vezes fiz uso da substância na companhia de advogados, juízes e médicos.”

O uso da cocaína foi a porta de entrada de Alessandra para o crime. Ela começou a praticar assaltos e entrou para uma quadrilha. “Em um assalto em que estávamos em um carro já furtado fui abordada pela polícia. Houve troca de tiros e fui presa pela primeira vez, aos 20 anos. Peguei dois anos e meio de reclusão.”

Depois que saiu da prisão, Alessandra conheceu o trabalho da Igreja Universal pela televisão, mas decidiu continuar a praticar crimes. Ela chegou a ser presa mais duas vezes. Ao todo, foram 12 anos e meio de privação de liberdade.
“As prisões e punições foram por tráfico, mortes e por participação em rebeliões dentro dos presídios, como no Carandiru, pelo qual passei duas vezes, Tatuapé, Tremembé e na Penitenciária do Butantã, em razão do envolvimento com uma grande facção criminosa”, diz.

Mesmo com sucessivas prisões, Alessandra continuou praticando tráfico de drogas e assaltos e, além disso, sua situação piorou, pois ela passou a ser vítima de agressões do ex-companheiro. “Foi o meu maior fundo de poço. De um momento para outro, passei de bandida a vítima. Houve traições de ambas as partes, mas o pior eram as agressões físicas, sexuais e psicológicas que eu sofria”, afirma.

As brigas eram constantes. “Por várias vezes ele me agredia na rua e o pior é que ninguém fazia nada. Ele me batia com o que via na frente, desde borrachas a pedaços de madeira”, recorda.

Além da cocaína e das agressões que sofria, o uso de maconha, crack e álcool excessivo faziam parte dos seus dias. “Me sentia um lixo. Vivia sozinha, toda machucada e ouvia meu filho chorando com medo. O ódio que eu tinha era tão grande que eu só queria vingança. Apenas chorava de tanta tristeza e não queria mais acordar”, relata Alessandra.

Com feridas no corpo e na alma, depois de ser aconselhada por sua mãe, Alessandra decidiu procurar ajuda na Universal. “Quando cheguei em 2016, não aguentava mais. Vivia largada nas calçadas sem condições de sustentar o próprio corpo. Eu cheguei em pedaços, machucada tanto por fora como por dentro.”

A cura dos sofrimentos
Hoje, Alessandra diz ter uma vida totalmente transformada e conta que sua maior realização é ter a paz e felicidade que só Deus pode proporcionar. “É algo maravilhoso saber que estou livre de todas as acusações e de todos os vícios.

Hoje me amo, me valorizo e decidi fazer de Jesus o único Senhor da minha vida. Antes, eu era uma mulher suja, sem vida e sem respeito; agora, sou uma mulher feliz e completa”, finaliza.


  • Camila Dantas / Fotos: Cedida e Demetrio Koch 


reportar erro