Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 24 de fevereiro de 2019 - 00:05


Calor e umidade favorecem o surgimento dos fungos que causam o problema

Saiba como combater a Micose

A nossa pele é porta de entrada para muitos tipos de doenças, pois o nosso corpo está exposto a fungos, vírus e bactérias que estão presentes em diversos locais. Um exemplo de enfermidade que pode se desenvolver a partir do contato com esses micro-organismos é a micose, que atinge a própria pele, além de unhas e do couro cabeludo.

O dermatologista Domimberg Ferreira explica que a doença é causada por fungos que proliferam em ambientes onde há calor e umidade. Por isso, nas estações mais quentes, como primavera e verão, a incidência do problema aumenta. Segundo o médico, dentre os fatores de risco, vale destacar a baixa imunidade e os hábitos de vida e de higiene.

Tratamento
Medicações devem ser utilizadas a partir do momento em que a doença dá os primeiros sinais. “O tratamento é feito com uso de substâncias antimicóticas e antifúngicas, que podem ser empregadas tanto por via tópica, sob a forma de cremes e pomadas, como endovenosa (quando a medicação é injetada na corrente sanguínea). Cada tratamento está relacionado à gravidade do caso em questão”, afirma Ferreira.

Vale ressaltar que a prevenção ainda é a melhor opção para manter a saúde em dia. Veja, abaixo, algumas dicas.

Como prevenir

  • Secar cuidadosamente as regiões de dobras do corpo, como axilas, dedos dos pés e virilha
  • Evitar calçados fechados por longos períodos. Prefira os mais largos e ventilados, especialmente no verão
  • Não usar chinelo ou sandália em locais que sempre estão úmidos, como vestiários, saunas e áreas ao redor de piscinas
  • Evitar compartilhar toalhas, roupas, escovas de cabelo e bonés, pois esses objetos podem transmitir fungos
  • Evitar roupas muito quentes e aquelas feitas em tecidos sintéticos, pois elas não absorvem o suor, prejudicando a transpiração da pele
  • Sempre usar o próprio material ao ir à manicure, como alicates, lixas e palitos de unhas

 

Couro cabeludo
Geralmente apresenta-se com prurido e descamação. A micose mais comum nessa região é a dermatite seborreica (caspa) e o tratamento é feito com xampus específicos

Axilas e virilhas
Áreas que naturalmente são quentes e úmidas – ambiente que favorece o aparecimento de fungos que causam a Tinea (impinge). O tratamento pode ser feito com antifúngico via oral e cremes

Unhas
Sítio das onicomicoses (micoses das unhas que aparecem comumente após contaminação em saunas ou piscinas). O tratamento é feito à base de esmaltes que contenham antifúngicos na formulação

Mãos e pés
Pé de atleta e frieiras são os nomes populares das infecções mais comuns nesses locais. Os tratamentos são realizados à base de cremes ou comprimidos

Tórax, abdômen e dorso
São sítios das micoses superficiais, conhecidas popularmente como panos brancos, causadas pela levedura Malassesia furfur. O tratamento é baseado em cremes


  • Maiara Máximo / Foto: Fotolia 


reportar erro