Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 3 de junho de 2020 - 17:12


Brasil vai iniciar testes de vacina contra COVID-19

Testes serão guiados e analisados pela Universidade de Oxford

O Brasil será o primeiro país fora da Inglaterra a testar a vacina contra a COVID-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford. Mil trabalhadores da área da saúde receberão o remédio.

Esses voluntários serão soronegativos para COVID-19. Ou seja: não podem ter anticorpos contra a doença antes de tomarem a vacina. O objetivo é averiguar se o remédio é capaz de produzir esses anticorpos.

A autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que os testes sejam realizados no Brasil foi publicada pelo Diário Oficial no dia dois de junho. O Ministério da Saúde prestará o suporte necessário.

Vacina mais provável

A vacina desenvolvida por Oxford é a mais promissora entre as mais de 70 que estão sendo desenvolvidas no mundo.

Em apenas dois meses, ela avançou da fase um para a fase 3 e agora 10 mil voluntários de diversos países do mundo receberão as doses.

Os resultados serão divulgados entre dois e seis meses a partir dessa semana, quando os novos testes têm início.

Quem explica é a médica imunologista brasileira Daniela Ferreira. Ela é especialista em infecções respiratórias e desenvolvimento de vacinas e atualmente é líder dos testes na Escola de Medicina Tropical de Liverpool (Inglaterra).

À imprensa, Ferreira afirmou: “O que está acontecendo agora é um trabalho de envolvimento global, com todos os cientistas compartilhando conhecimento em tempo real. A vacina é para o mundo inteiro; tem de haver uma colaboração internacional e tem de ser solidária, não pode ser ditada por interesses comerciais e preços”.

A indústria farmacêutica que produzirá a vacina afirmou que está pronta para produzir um milhão de doses ainda em 2020, caso os testes sejam positivos.

Ademais, ela deve ter um preço baixo de produção e ser fabricada em vários locais do mundo, facilitando a logística. Clique aqui e saiba mais sobre ela.


  • Andre Batista / Foto: Getty Images 


reportar erro