Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 20 de maio de 2020 - 01:36


Um milhão de doses de vacina contra COVID-19 até setembro

Universidade de Oxford está próxima de produzir o remédio em escala global

Cientistas de Oxford (Reino Unido) trabalham com a meta de produzir um milhão de doses da vacina contra a COVID-19 até setembro de 2020. Para isso, já firmaram parceria com uma empresa farmacêutica capaz de produzir e distribuir globalmente a vacina que está em fase de testes.

Antes que a vacina seja comercializada, entretanto, ainda é necessário que os testes sejam finalizados. Atualmente, os cientistas estão na fase um, onde 550 pessoas recebem o remédio contra a COVID-19 e outras 550 recebem a vacina contra meningite. Todos têm entre 18 e 55 anos de idade.

Esse é um teste-cego. Ou seja: por enquanto, ninguém sabe quem está recebendo qual vacina. Esse procedimento serve para que o resultado não seja influenciado por possíveis efeitos psicológicos dos voluntários.

Todas as pessoas registram um diário onde comentam sintomas.

Ao final do teste, serão reveladas as pessoas que ingeriram a vacina contra a COVID-19.

O professor de medicina da Universidade de Oxford, Sir John Bell, declarou à rádio BBC local que esses resultados serão divulgados já em junho.

Caso a análise desses resultados seja positiva, a fase dois envolverá mais participantes, com o intervalo de idade estendido.

A fase 3 contará com 5 mil voluntários.

O objetivo é que, ainda em 2020, vários países estejam recebendo o remédio.

“Também queremos garantir que o resto do mundo esteja pronto para fazer esta vacina em larga escala para chegar às populações dos países em desenvolvimento, por exemplo, onde a necessidade é muito grande”, afirmou Bell.

Tempo recorde

Caso os planos de Oxford sejam concretizados, essa será uma vacina desenvolvida em tempo recorde. Até hoje, a vacina desenvolvida mais rapidamente a partir da descoberta do vírus causador foi contra o sarampo. Ela foi disponibilizada em dez anos (1953-1963).

A vacina da varíola levou quatro anos para ficar pronta, em 1796. Mas isso foi feito antes que o verdadeiro vírus causador fosse identificado.

Já a vacina de Oxford contra a COVID-19 começou a ser desenvolvida em fevereiro. Distribuí-la em menos de um ano é um avanço que a Medicina jamais viveu.


  • Andre Batista / Foto: Getty Images 


reportar erro