Rede aleluia
Brasil é o oitavo país com a maior taxa de suicídio no mundo
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 18 de Maio de 2018 - 03:05


Brasil é o oitavo país com a maior taxa de suicídio no mundo

Especialista revela algumas atitudes que podem indicar que uma pessoa está com intenção de se matar. Saiba mais

Brasil é o oitavo país com a maior taxa de suicídio no mundo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que uma pessoa morre a cada 40 segundos por suicídio no mundo. Entre jovens de 15 a 29 anos, o suicídio é a segunda causa de morte global. Recentemente, as famílias de um tradicional colégio da cidade de São Paulo foram diretamente atingidas por dois casos de suicídio em um período curto de tempo. Nos dois casos, aqueles que recorreram ao recurso extremo de colocar fim à própria vida eram adolescentes, estudantes do ensino médio.

Outro caso que repercutiu foi a morte do DJ e produtor sueco, Avicii, encontrado morto no dia 20 de abril último. Ele tinha apenas 28 anos e, de acordo com informações, ele se suicidou usando uma garrafa de vinho quebrada.

Segundo a psicóloga Elaine Di Sarno, os números crescentes de suicídio chamam atenção.

“O suicídio quebra a ordem natural da vida e expõe um cenário social problemático em razão dos trágicos efeitos acarretados; segundo dados da OMS estima-se que, até 2020, um número de 10 a 20 vezes maior de pessoas tentará o suicídio. Isso representa um caso de morte por suicídio a cada 20 segundos e uma tentativa a cada um ou dois segundos”, destaca Elaine.

O sentimento de abandono, a experiência de abusos físicos ou sexuais, a desorganização familiar, o desajustamento na escola ou em casa e a desesperança em relação ao futuro são alguns dos fatores que aparecem como motivadores, acrescenta a psicóloga.

A especialista ressalta ainda que quem quer tirar a vida o faz não porque quer morrer, mas para acabar com aquela dor.

A dona de casa Arlete de Lima, hoje com 33 anos, conta que aos 13 tentou o suicídio porque acreditou, na ocasião, que seria a única maneira de se livrar dos problemas. “Eu queria acabar com aquele sofrimento e tentei me matar tomando remédios e me cortando. Não era bem a intenção de me matar, mas sim acabar com os problemas de miséria que eu enfrentava em minha vida”, testemunho ela.

Após um problema de suicídio e do luto vivido pela família e colegas, vem – inevitavelmente – uma série de perguntas. Mas, afinal, a pessoa que pensa em tirar a própria vida deixa sinais? A psicóloga alerta para algumas atitudes que podem indicar que um parente está com intenção de se matar.

“Mudança no padrão do sono e da alimentação, tentativa de esconder fatos, tristeza prolongada, irritação acentuada, afastamento da família e dos amigos, queda nas notas, perda de interesse por atividades que gostava, disforia (uma combinação de tristeza e irritabilidade e acessos de raiva), comentários sobre morte, sobre pessoas que morreram, interesse pelo assunto, doação dos pertences que valorizava, expressão clara ou velada de querer morrer ou pôr fim à vida. Em geral, o sofrimento emocional é carregado de estigmas, pois as pessoas têm vergonha de admitir suas angústias e aflições”, finalizou.

Pastor online

Caso esteja passando por problemas semelhantes ou mesmo conheça alguém que tem apresentado comportamentos parecidos como os que a psicóloga destacou, acesse ou indique o Pastor Online, que realiza um trabalho de atendimento voluntário totalmente gratuito de apoio emocional e espiritual. Essa ferramenta tem ajudado muita gente nesses momentos cruciais e de desespero.

O serviço é gratuito e está disponível 24 horas. Clique aqui e converse com um pastor agora mesmo, esteja você em qualquer lugar do mundo. Todas as conversas são mantidas sob total sigilo.

(*) Com informações e entrevistas do programa Brasil Notícias, da Rede Aleluia


Brasil é o oitavo país com a maior taxa de suicídio no mundo
  • Por Ivonete Soares (*) / Foto: Thinkstock 


reportar erro