Rede aleluia
Bolsonaro sanciona lei que permite doação de alimentos não vendidos
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 30 de junho de 2020 - 01:28


Bolsonaro sanciona lei que permite doação de alimentos não vendidos

Objetivo é diminuir a fome e estimular a solidariedade

Bolsonaro sanciona lei que permite doação de alimentos não vendidos

O presidente Jair Bolsonaro sancionou uma lei que permite que comerciantes doem alimentos que sobraram sem medo de serem processados. A publicação no Diário Oficial foi realizada no dia 24 de junho.

Até então, a única legislação que falava a respeito era a de 1990, que pune com multa e prisão (de dois a cinco anos) quem entrega matéria-prima ou mercadoria imprópria para o consumo.

Com medo de serem processados, vendedores de alimentos – como donos de mercados e restaurantes – jogavam no lixo muitos alimentos que ainda poderiam ser doados.

A nova lei exime de culpa o doador, caso a refeição faça mal ao receptor. O doador somente será punido caso haja a intenção de fazer mal a quem recebeu a refeição.

Novas regras                                                                   

A Lei regulamenta:

– A doação pode ser de alimentos in natura, produtos industrializados e refeições prontas, todos ainda próprios para o consumo humano;

– Os itens devem estar dentro do prazo de validade e em condições de conservação especificadas pelo fabricante, quando aplicável;

– Os alimentos devem ter as propriedades nutricionais mantidas, ainda que tenham sofrido dano parcial ou apresentem aspecto comercialmente indesejável;

– A integridade e segurança sanitária não podem ter sido comprometidas, mesmo que haja danos à sua embalagem;

– Todos os estabelecimentos que forneçam alimentos podem realizar doações;

– As doações devem ser gratuitas e não configuram relação cliente-empresário;

– As doações podem ser realizadas diretamente, ou com auxílio de entidades beneficentes.

Conforme afirmou a Secretaria Geral da Presidência da República, a Lei visa “combater a fome e a desnutrição, valorizar a responsabilidade social e a solidariedade entre os brasileiros e auxiliar a superação da crise econômica e social gerada pela atual pandemia”.

Essa é mais uma ação do governo para combater os prejuízos causados pela pandemia do novo coronavírus. Anteriormente, por exemplo, Bolsonaro já havia suspendido o pagamento da conta de luz de algumas famílias. Clique aqui e saiba se você se enquadra no desconto.


Bolsonaro sanciona lei que permite doação de alimentos não vendidos
  • Andre Batista / Foto: Getty Images 


reportar erro