Rede aleluia
O que está por trás da Bancada Evangélica Popular
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 31 de julho de 2020 - 12:23


O que está por trás da Bancada Evangélica Popular

Grupo de esquerda deseja criar uma bancada socialista voltada para cristãos

O que está por trás da Bancada Evangélica Popular

Neste mês, um grupo de esquerda apresentou um manifesto para a criação da Bancada Evangélica Popular (BEP). O objetivo deste novo movimento político é ocupar o Congresso, as câmaras e assembleias do Brasil.

Em uma leitura superficial, a mensagem do grupo parece evocar valores coerentes. Entretanto, primeiramente, é preciso compreender o contexto em que a tal bancada está inserida.

A “esquerda” na prática

A ideologia de esquerda apresenta para a sociedade um discurso de “justiça social”, “igualdade de gênero”, “apoio aos direitos do povo”, entre outras bandeiras semelhantes. Na prática, quando a esquerda está no poder, historicamente nota-se um governo que restringe a liberdade individual, impõe sua agenda sobre a sociedade e promove, até mesmo, perseguição contra o cristianismo. Porque, para a esquerda prosperar, ela precisa criar um discurso de “nós” contra “eles” e controlar a vida social com mãos de ferro.

Conceitualmente, a “esquerda política” defende os ideais do socialismo e do comunismo. Esses pensamentos se tornaram populares por meio de Friedrich Engels e Karl Marx. Contudo, vale lembrar que Marx era contra qualquer ideia de crença religiosa e afirmou em um dos seus livros que a religiosidade é o “ópio do povo”.

Na verdade, o ópio — que provoca adormecimento, embrutecimento moral — para o povo é ter gente com essas ideias governando algum país. Os brasileiros sentiram na pele, por 13 anos, que, entre outras mazelas, foram assaltados pela maior rede de corrupção instalada de que já se teve notícia.

Ademais, é preciso compreender que quando um político aprova seus projetos, ele deixa um legado para a sociedade (que perdura mesmo após sua partida do mandato). Porque, depois de aprovada a lei, todos deverão obedecê-la. Desse modo, na prática, o político tem poder para impor a sua agenda sobre toda a sociedade. E, quem é contra é punido.

Além disso, o sistema socialista/comunista não trouxe a solução para os problemas da sociedade, como havia prometido. Se apelarmos para a história, vamos recordar que a União Soviética (URSS), que durou entre 1922 e 1991, estabeleceu um regime autoritário. O comando era altamente centralizado pelo Partido Comunista, que tomou o poder por meio do “Exército Vermelho”. No fim da década de 1980, a URSS entrou em colapso. Outro país em que o sistema não funcionou foi Cuba. Em 2019, esta ilha caribenha precisou optar pela expansão dos direitos individuais e pela adoção da convivência com a iniciativa privada e do direito à propriedade.

Será que se o sistema fosse eficiente como os defensores dessa ideologia apontam, esses desdobramentos históricos teriam acontecido? Sem mencionar o caso da China. Segundo a organização Open Doors (Portas Abertas), que mapeia a perseguição cristã pelo mundo, o país asiático está entre os mais perigosos para a divulgação da fé. Lá, os cristãos precisam decorar trechos da Bíblia, muitos são presos e o Estado exerce um forte controle sobre as igrejas. Clique aqui e confira os casos.

Valores cristãos

Vale observar que a ideia, aqui, não é defender a “direita política”, apesar de esta ser mais coerente com a necessidade das pessoas. Mas, para os cristãos, a Palavra de Deus está acima das ideologias humanas. Ela é a diretriz, o vetor, que aponta para o caminho certo. Por isso, quem teve o novo nascimento é guiado pela Palavra. Tal qual, Deus orientou a Josué:

“Tão-somente esforça-te e tem mui bom ânimo, para teres o cuidado de fazer conforme a toda a lei que meu servo Moisés te ordenou; dela não te desvies, nem para a direita nem para a esquerda, para que prudentemente te conduzas por onde quer que andares.” Josué 1:7

Se você deseja saber mais sobre o tema, confira o programa “Entrelinhas”, exibido em 7 de junho último, com o título “Pode um cristão ser de esquerda?”.


O que está por trás da Bancada Evangélica Popular
  • Da Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro