Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 29 de maio de 2020 - 18:37


Aumenta o consumo de bebidas alcoólicas durante a quarentena

As circunstâncias da pandemia podem trazer novos problemas assim como agravar outros já existentes. Conheça o Tratamento para a Cura dos Vícios

Diante da pandemia do novo coronavírus, muitas questões alarmantes ganham mais atenção. Por exemplo, o desenvolvimento de transtornos como ansiedade, depressão e o uso abusivo de álcool. Estudos em vários países confirmam o aumento do consumo de bebidas alcoólicas durante a quarentena. Alguns indicam que isso acontece em consequência de circunstâncias como ficar dentro de casa por tempo indeterminado e lidar com problemas financeiros.

Uma pesquisa, publicada recentemente no periódico científico Asian Journal of Psychiatry, identificou que moradores de Hubei (província chinesa onde o vírus surgiu), apresentaram elevação dos índices de ansiedade, depressão e também do uso perigoso e nocivo de bebidas alcoólicas. Entre 1.074 entrevistados, 29,1% relataram “beber perigosamente”. Ademais, 9,5% admitiram uso “nocivo” de bebida alcoólica e 1,6% se disseram dependentes de álcool.

No Brasil, um estudo do Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict), da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), revelou alterações de comportamento na população brasileira durante a quarentena. 44.062 pessoas responderam a um questionário online entre 24 de abril a 8 de maio. Do total, 18% relataram estar bebendo mais. Desses, 26% têm entre 30 a 39 anos. Os entrevistados associam a condição à frequência com a qual sentem tristeza e ansiedade.

A pesquisa foi feita em parceria com a UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e a Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

Falsa e momentânea sensação de alívio

As circunstâncias da pandemia podem trazer novos problemas, assim como agravar outros já existentes. Muitas pessoas estão enfrentando o medo e a angústia, aumentando o consumo de álcool – e outras substâncias químicas – que trazem uma falsa e momentânea sensação física de alívio para os problemas.

Contudo, o álcool não traz benefício algum para a saúde, nem física nem mental. Aliás, ele é responsável por diminuir a capacidade do sistema imunológico ao combate às infecções.

Tratamento para a cura dos vícios

Se você está cansado de sofrer com os problemas que o levaram até a bebida, ou com os problemas que o vício causou a você, e também a sua família, a Universal desenvolveu o Tratamento Para a Cura dos Vícios. O Tratamento é procurado por milhares de pessoas que já buscaram ajuda em diversos locais, sem resultado positivo.

Assista abaixo ao programa Cura dos Vícios e veja exemplos de quem se livrou dos vícios:

Conheça mais sobre o Tratamento, clicando aqui. Você pode participar de uma reunião que acontece todos os domingos – seguindo todas as medidas solicitadas pelo Ministério da Saúde para proteção contra o contágio da COVID-19, – ou acompanhe, ao vivo, pela TV UniversalUniver VídeoRede Aleluia de rádio, pelos canais de televisão 21, CNT e Rede Família, além das redes sociais da Igreja (Facebook Youtube).


  • Michele Roza / Fotos: Getty Images 


reportar erro