Rede aleluia
As escolhas e suas consequências
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 21 de Setembro de 2022 - 23:41


As escolhas e suas consequências

O Bispo Renato Cardoso explicou o assunto durante reunião no Templo de Salomão, em São Paulo. Confira

As escolhas e suas consequências

Ao longo da vida, nós precisamos fazer diversas escolhas. Cada dia define um rumo para a nossa vida. E quando escolhemos algo, automaticamente, negamos as outras opções. Por isso, precisamos ter muita consciência sobre as escolhas que fazemos. E a principal delas é com relação à salvação eterna da alma.

Por que é importante:

Durante a reunião realizada pelo Bispo Renato Cardoso, na noite desta quarta-feira (21), no Templo de Salomão, o Bispo falou sobre as escolhas que todo o ser humano faz e também sobre suas consequências.

Inicialmente, ele explicou que há duas das qualidades do caráter de Deus: a bondade e a justiça. Por ser bom, Ele orienta qual caminho seguir para alcançar paz e felicidade. Mas, por ser justo, Ele deixa cada ser humano livre para fazer as próprias escolhas. E, claro, lidar com suas consequências, sejam elas boas ou más.

“Existe uma eterna luta entre a carne e o espírito, entre o eu e a vontade de Deus. Esta é a luta que todo ser humano trava, mesmo aqueles que são cheios do Espírito Santo. Obviamente, quando o Espírito Santo habita em você, Ele te dá condições de vencer esse conflito, e é por isso que nós precisamos do Espírito Santo”, disse.

O que vem a seguir:

A Palavra de Deus diz:

“Porque o que faço não o aprovo; pois o que quero isso não faço, mas o que aborreço isso faço. E, se faço o que não quero, consinto com a lei, que é boa. De maneira que agora já não sou eu que faço isto, mas o pecado que habita em mim”.  Romanos 7:15-17

“Nós temos consciência do pecado, pois quando erramos ou pecamos, ou ainda quando fazemos algo que contraria o que é certo, logo sentimos um pesar, sentimos uma má consciência. E isso se dá por causa da lei de Deus, da lei escrita na nossa consciência, a lei que nos faz saber, intuitivamente, o certo e o errado”, esclareceu.

Em resumo: sua vida é resultado das suas escolhas. Deus só mostra os efeitos da bênção e da maldição para decidirmos o que escolher.

Escolha consciente

O Bispo Renato Cardoso explicou, no entanto, que essa decisão deve ser guiada pela fé.

“O diabo não quer que as pessoas ouçam a Palavra de Deus, ou ainda aprendam sobre a lei que Paulo ensina. Esta lei é o que traz a consciência do pecado, a consciência do que é certo ou errado; o diabo quer normalizar o pecado. Então, o errado passa a ser certo, assim, a pessoa não tem do que ser acusada e, portanto, não se arrepende”, enfatizou.

Como vou me arrepender, se eu não vejo o pecado? Sem arrependimento não há perdão de pecados e sem perdão de pecados não há salvação. Então, estrategicamente o que o diabo quer é, na verdade, que as pessoas percam a consciência do pecado.

Essa é a proposta de Deus:

Deus concedeu ao ser humano o direito de escolher, de desejar aquilo que quer, mas parte desta liberdade inclui escolher a Ele.

“Deus não criou uma criatura pré-programada para amá-lO, Ele criou o ser humano dotado de liberdade, de fazer o que quiser, mas a glória dEle é quando essa criatura, podendo escolher qualquer coisa  na vida, escolhe a vontade dEle”, refletiu o Bispo.


As escolhas e suas consequências
  • Sabrina Marques / Foto: iStock e Reprodução 


reportar erro