Rede aleluia
A cura do homem  “do pulmão misterioso”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 19 de Maio de 2019 - 00:05


A cura do homem “do pulmão misterioso”

Regiane Souza das Neves conta como seu pai, José Carlos de Souza, encontrou na fé a solução para um câncer em estágio avançado

A cura do homem  “do pulmão misterioso”

Em maio do ano passado, José Carlos de Souza, de 74 anos (foto acima), estava com um resfriado forte e uma tosse incessante. A gripe foi embora, mas a tosse continuou. Então, sua filha, Regiane Souza das Neves, de 45 anos, o levou ao hospital. Na tentativa de alívio dos sintomas, ele passou a tomar um xarope expectorante por conta própria. “Meu pai nunca gostou de ir ao médico”, relata Regiane. “Ele perdia o fôlego de tanto que tossia. Passamos em um pronto-socorro em Santo André, região metropolitana de São Paulo, onde foram feitos exame de sangue e um raio X, que apontou vários nódulos no pulmão”, conta.

Foi então que veio o pedido de internação, no dia 19 de julho de 2018. Para o pneumologista e oncologista, a suspeita era que José Carlos estivesse com câncer e, para investigação, foi realizada uma laringotraqueobroncoscopia com biópsia. No dia 21, o oncologista, mais uma vez, alertou a família da suspeita de carcinoma maligno nos dois pulmões e que esperaria pelo resultado definitivo na semana seguinte. José Carlos, então, recebeu alta, mas deveria tomar as medicações em casa. Na data marcada, Regiane e o esposo foram ao hospital receber o diagnóstico e veio a confirmação: adenocarcinoma invasivo, já em estágio 4.

O médico desenganou José Carlos e uma medicação paliativa foi prescrita, pois não havia mais o que fazer, segundo os especialistas.

Reação
José Carlos não acreditou quando recebeu a notícia. “De certa forma, nós já suspeitávamos, porque meu pai fuma desde os 13 anos. A partir desse fato, ele mesmo falou: ‘vou ao Altar’. Mas, de fato, ou era Jesus ou o cemitério”, afirma Regiane.

Ele já estava na Universal há anos, sem, no entanto, se entregar totalmente a Deus. Sua esposa, Rita Ferreira de Souza, de 70 anos, conhece a Universal há 37 anos e até frequentou a Igreja que ficava em um antigo cinema no bairro do Brás.

Com o susto, José Carlos percebeu que era o momento de tomar uma atitude. Ele se batizou na semana seguinte e parou de fumar. Além do câncer, um enfisema pulmonar também foi detectado. O acompanhamento foi realizado em um hospital de referência em São Paulo.

O tratamento
“Na primeira semana de agosto, começamos a vir no Templo de Salomão e já estava acontecendo o propósito do lenço consagrado. A condição física do meu pai era ruim e ele tinha dificuldade de sair de casa. Ele não tinha fôlego, mas vínhamos mesmo assim. Ele tinha tosse constante e foi observando isso que notamos que a mão de Deus começou a agir. Mesmo sem medicação, a tosse cessou”,
conta Regiane.

Em outubro, ele teve uma embolia pulmonar, caracterizada pelo bloqueio da artéria do pulmão, e também uma inflamação por causa da quimioterapia. Ao todo, seis sessões seriam realizadas, além de seis sessões de imunoterapia. Ele realizou cinco sessões de quimioterapia, porque a última foi cancelada em razão da inflamação.

A imunoterapia também foi suspensa e o tratamento seguiu com medicamentos para impedir uma nova embolia. Inalações também eram realizadas duas vezes ao dia, de manhã e à noite. “Durante todo esse período, fizemos o uso do lenço consagrado nas reuniões, do jeitinho que o Pastor Guilherme (Grando) nos ensinou”, diz Regiane.

Ela relata que a doença passou a regredir de um modo que espantou os médicos. “Em janeiro deste ano, foi feito um novo exame. O médico passou a chamá-lo de ‘homem do pulmão misterioso’, porque a inflamação que constava na parte baixa do pulmão migrou para cima, apesar de não ter como a inflamação se locomover. E, de lá para cá, só fomos tendo notícias boas”, continua.

No final de março, o oncologista disse que o novo exame estava excelente. “Meu pai não gostava muito de saber da evolução e não perguntamos nada sobre o tamanho dos tumores. Um novo exame foi solicitado para o final de abril. Quando passamos no pneumologista, nos atrevemos a perguntar. Foi quando o médico nos disse: ‘não tem tamanho de tumor, porque não tem tumor. Aqui só tem cicatrizes. Posso passar a medida das cicatrizes, se quiserem, mas tumor não tem. Sumiu.’ E ficou provado que Deus fez um milagre. A inalação foi suspensa e o médico até falou para jogar os remédios fora. A respiração e a frequência cardíaca estavam iguais às de uma pessoa que nunca teve nada no pulmão.”

Para José Carlos, a experiência o fez repensar não apenas na debilidade física, mas na espiritual. “Mudei minhas atitudes, passei a orar e a buscar mais a Deus. Aprendi que a verdadeira fé exige de mim a obediência, pois, quem crê, obedece. E foi na obediência que alcancei o milagre”, declara ele.

Já Regiane comenta que a família compara os nove meses passados com um novo nascimento. “Meu pai pesava 50 kg e hoje está com 12 quilos a mais. Antes, ele não aguentava subir escada e hoje até brinco que tenho que correr para alcançá-lo. Uma vizinha teve câncer e falou que essa doença não tinha cura, que não tinha jeito, mas a fé mostra que tem.”

Que doença é essa?

O câncer de pulmão é o segundo mais comum em homens e mulheres no Brasil, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca). O tabagismo é considerado a causa principal para seu desenvolvimento e até ex-fumantes estão no grupo de risco. Outro fator que pode desencadeâ-lo é a idade: ele costuma afetar pessoas com idades entre 50 anos e 70 anos. Os sintomas mais comuns são tosse persistente, dor no peito, rouquidão, perda de peso e de apetite, fraqueza e falta de ar. Para o diagnóstico, recomenda-se raio X do tórax, broncoscopia e biópsia. O tratamento é feito por uma equipe multidisciplinar, com radioterapia e quimioterapia. Quanto à prevenção, é importante evitar o tabagismo, inclusive o passivo (quando a pessoa não fuma, mas acaba inalando a fumaça de um ou mais fumantes) e também a exposição a alguns agentes químicos.

Fonte: Instituto Nacional de Câncer


A cura do homem  “do pulmão misterioso”
  • Flavia Francellino / Fotos: Cedidas 


reportar erro