Rede aleluia
85 milhões de empregados devem ser substituídos por robôs 
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 21 de outubro de 2020 - 17:45


85 milhões de empregados devem ser substituídos por robôs 

O dado é do Fórum Econômico Mundial. Saiba como driblar essa baixa nos empregos

85 milhões de empregados devem ser substituídos por robôs 

Um estudo do Fórum Econômico Mundial apontou que 85 milhões de empregos serão destruídos em empresas de médio e grande porte, nos próximos cinco anos. Isso porque os robôs deverão substituir seres humanos.

A pandemia de COVID-19, doença causada pelo novo coronavírus, tem acelerado essa mudança. Saadia Zahidi, diretora administrativa do Fórum Econômico Mundial esclarece que “A COVID-19 acelerou a chegada do trabalho do futuro”. 

Pesquisas com aproximadamente 300 empresas globais mostraram que quatro a cada cinco executivos estão agilizando o processo para digitalizar o trabalho e adotar novas tecnologias.

Homens X Máquinas

Não é de hoje que os homens são substituídos por máquinas. Essa substituição acontece desde a Revolução industrial nos séculos XVIII e XIX. Àquela altura, a maioria da população europeia vivia no campo e produzia nele e o trabalho artesanal dominava o processo produtivo.

A Revolução Industrial teve início na Inglaterra, quando empresários, que desejavam lucrar mais, adotaram o uso das máquinas a vapor. 

Antes da Revolução industrial, os tecidos tinham de ser produzidos à mão. Este período, por exemplo, possibilitou que o desenvolvimento de máquinas para a indústria têxtil que permitiam a tecelagem em uma velocidade muito superior.

Além disso, o desenvolvimento das máquinas possibilitou o crescimento das ferrovias, o que encurtou distâncias e aumentou a quantidade e velocidade que as mercadorias eram transportadas. 

De lá para cá, já passamos por grandes e consideráveis mudanças na indústria em todo o mundo. Hoje, vivemos o que os especialistas chamam de “Quarta Revolução Industrial”, que é marcada pela automação e robôs que podem fazer trabalhos feitos por homens. 

“Nós estamos vivendo uma transformação radical no jeito como trabalhamos. Automação e máquinas pensantes já estão substituindo trabalhos e estão mudando as habilidades que as empresas estão procurando nas pessoas”, afirma Elisa Rosa, mestre em comunicação, em um artigo no site do Sebrae.

Por isso, em seu artigo, a especialista garante que aqueles que se adaptarem ao novo mercado, provavelmente, não serão afetados. “Então quem vai sobreviver? Os que mais se adaptarem a essa nova era”, diz. 

O estudo do Fórum confirma. Ele mostra que, apesar de o mercado perder mais de 80 milhões de vagas, que outros novas 97 milhões deverão surgir nos setores de tecnologia. 

Por isso, o levantamento conclui que esses empregados que deverão perder seus empregos nos próximos anos, devem aprender novas habilidades para ocupar outros cargos. 


85 milhões de empregados devem ser substituídos por robôs 
  • Rafaela DIas / Getty Images 


reportar erro