Rede aleluia
O dia que eu quis sair de casa
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Cristiane Cardoso | 27 de agosto de 2020 - 16:17


O dia que eu quis sair de casa

Confira mais uma parte das minhas lembranças

O dia que eu quis sair de casa
Pode parecer estranho, mas na minha infância, as crianças ainda respeitavam os pais e é por isso que me lembro tão detalhadamente da primeira e última vez que fui malcriada com eles. Um belo dia inesquecível pra mim, meu pai chegou mais cedo em casa e para sua surpresa, me viu assistindo uma novela da Globo.

Pois é, as vezes que eu ia na minha avó, ela me deixava assistir à novela, já que em casa meus pais não deixavam. Nesse dia, ele chamou minha atenção e eu, com os meus muitos 5 anos de idade o respondi: “Já que é assim eu vou embora de casa!”. A próxima coisa que eu me lembro é estar fora de casa, no longo corredor escuro de piso vermelho ouvindo o meu pai dizer: “Então tá bom, pode ir!” e fechar a porta. Pensa numa criança apavorada! Depois de chorar muito, ele abriu a porta e me disse pra nunca mais ameaçar de sair de casa. E, realmente, aquela foi a última vez.

Sempre respeitamos nossos pais, embora não sejamos do tipo que os chama de senhor ou senhora. E com o respeito também havia muito ciúme, principalmente da minha parte, não me pergunte porquê. Um dia estranhei quando, pela janela, vi minha mãe chegando na garagem e sendo abordada por dois homens, o que me incomodou bastante. Avisei o meu pai, mas ele não me deu muita atenção.

Daí vi que a minha mãe entrou no carro de novo e saiu com aqueles homens. Fiquei apavorada. Falei com o meu pai de novo e como já tinha passado um bom tempo que a minha mãe estava fora de casa, só então ele me ouviu e se desesperou, saindo pela cidade a fora para procurar por ela. Uma hora depois, minha mãe chegou em casa, muito abalada. Ela tinha sido abordada por ladrões que para roubar o carro, a levaram para longe a deixando no meio de uma rua deserta.

Meu pai passou horas na rua procurando-a e ela em casa, só chorando. Foi horrível vê-la chorar e não poder fazer nada para acalmá-la. Quando meu pai chegou em casa, os dois choraram muito. No dia, não entendi muito bem o que tinha acontecido, mas duas coisas ficaram marcadas pra mim, meus pais também choravam e um não podia ficar sem o outro.

A história continua…


O dia que eu quis sair de casa
  • Cristiane Cardoso 


reportar erro