Rede aleluia
A origem dos melindrosos
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Cristiane Cardoso | 16 de julho de 2020 - 00:05


A origem dos melindrosos

Todo mundo agora tem que pensar em como "todo mundo" se sente o tempo todo, algo impossível de se praticar. Entenda

A origem dos melindrosos

A palavra “melindroso” significa “se ofender facilmente, ser sensível, bastante magoável e se ressentir por qualquer coisa que o desagrada”. Ultimamente, uma característica bem comum, que chega a estar na moda e, como ‘solução’, o mundo hipócrita adotou o politicamente correto.

Todo mundo agora tem que pensar em como “todo mundo” se sente o tempo todo, algo impossível de se praticar, mas totalmente imposto pelos idealistas de hoje. Mas, isso não vem de agora, aliás, lá atrás, no início da humanidade. Esse mesmo sentimento demoníaco foi o que deu início ao primeiro homicídio.

Caim não aceitou que Deus tivesse se agradado só da oferta de Abel, seu irmão mais novo, e por isso, o matou, ignorando completamente o que Deus havia lhe dito “Por que te iraste? E por que descaiu o teu semblante? Se bem fizeres, não é certo que serás aceito?” (Gn 4:6,7). Aos olhos de Caim, Deus tinha que se agradar de todos, até daqueles que não O agradaram. Foi assim que esse sentimento de melindroso surgiu, e que acompanhou as gerações de Caim, como foi no caso do seu bisneto Lameque, que matou um homem por feri-lo e um jovem por, simplesmente, pisar em seu pé (Gn 4:23).

Afinal, de onde vem tanta sensibilidade (que não é sensível a Deus, só aos outros), intolerância (fingida que só serve com quem não pensa igual) e ressentimento (como se todo ser humano não prestasse, só ela)?

Vem do espírito  do egocentrismo, que gerou todos esses movimentos que vemos por aí com a falsa ilusão de liberdade, mas que, na verdade, foram criados para gerar a sensação de ser o seu próprio ‘deus’, para que o mundo gire em torno de si, sem que você tenha que dar satisfação a ninguém. É tudo sobre você, sobre o que você quer, o que você gosta, o que você pensa, e o que você vai fazer. Se alguém chegar ao cúmulo de fazer ou falar qualquer coisa que vá, de alguma forma, mexer com essa sua ‘mecânica pessoal’, não presta e merece ser massacrado.

A geração de Caim morreu toda no dilúvio. Creio que se esta geração em que vivemos não se arrepender logo, seus dias estão contados com o Apocalipse que estar por acontecer. #ficaoalerta

Na fé.


A origem dos melindrosos
  • Cristiane Cardoso / Foto: Getty Images 


reportar erro