Rede aleluia
A nova escola e o desafio para minha fé
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Cristiane Cardoso | 7 de setembro de 2020 - 21:00


A nova escola e o desafio para minha fé

Confira mais uma parte das minhas lembranças

A nova escola e o desafio para minha fé

Aos 8 anos, mudamos de cidade e precisamos entrar em uma escola católica, já que era a única que tinha vaga. Minha mãe foi bem enfática com os professores e coordenadores a respeito de não fazermos a aula de ‘religião’, já que não éramos católicas e todos, aparentemente, nos respeitaram por isso. Mesmo assim, eu tinha que estar presente nessas aulas com a freira e o único dever que eu tinha que fazer era trazer minha caderneta assinada de que havia ido à igreja domingo de manhã.

O que nunca era um problema, já que eu e minha família nunca perdemos um domingo de manhã na igreja.

E, por um tempo, eu fui a aluna exemplar naquela classe. Lembro-me de a freira dizer que eu era o exemplo para todos ali, que mesmo sendo evangélica, nunca deixava de ir à igreja. Nesse dia, me senti bem à vontade e respeitada, fiquei tão feliz de dar um bom testemunho na escola, que até contei pra todos em casa.

Mas, a minha felicidade não demorou muito… parece que a freira quis se vingar de mim na semana seguinte, quando levou toda classe pra tomar hóstia na capela. Eu, tímida como sempre, me aproximei dela e a lembrei que eu não era católica, mas, mesmo assim, ela falou que eu tinha que ir.

Chegando lá, ela colocou todos os alunos em uma fila pra entrar, se ajoelhar diante da imagem, colocar a língua pra fora e receber a hóstia da mão do padre. Eu, novamente, me aproximei dela, lembrando que eu não podia fazer aquilo, pois não era católica, mas ela se irritou comigo e me forçou a entrar naquela fila. Quando chegou a minha vez, olhei pra ela com os olhos cheios d’água, implorando pra ela não fazer aquilo comigo, mas ela impôs que eu me ajoelhasse e colocasse a língua pra fora. E eu fiz. Me senti suja, idólatra, uma traidora de Jesus.

Cheguei em casa aos prantos.

No dia seguinte, meus pais nos tiraram daquela escola. A história continua…


A nova escola e o desafio para minha fé
  • Cristiane Cardoso / Foto: Arquivo Pessoal 


reportar erro