O que o racismo do ator Liam Neeson pode ter a ver com você

Ele chocou o mundo ao declarar abertamente a raiva que sentia dos negros


Por Andre Batista / Imagem: Reprodução Facebook @TheLiamNeesonfanpage

Liam Neeson chocou o mundo ao declarar abertamente o racismo que controlou determinada parte de sua vida. Em entrevista ao jornal inglês “The Independent” o ator afirmou que várias vezes saiu de casa armado com um bastão na intenção de matar um negro.

“Percorri as ruas com um bastão, esperando que alguém me abordasse. Tenho vergonha de dizer isso. E o fiz por, talvez, uma semana, esperando que um ‘negro’ saísse de um bar e tentasse me provocar sobre alguma coisa, sabe? Para que pudesse matá-lo”, relatou.

Essa agressividade surgiu em decorrência de um estupro sofrido por alguém próximo a Liam Neeson. A vítima não foi capaz de identificar o criminoso e o ator lhe perguntou:

“Qual era a cor dele?”

Logo após a resposta “negro”, Liam Neeson resolveu culpar todos os negros e qualquer um deles. Percorreu ruas e procurou brigas com pessoas inocentes, na intenção de matar qualquer uma delas. Como se todos os negros fossem responsáveis pela violência ocorrida.

“Foi horrível, horrível que tenha feito aquilo”, declarou na entrevista, demonstrando arrependimento.

Tudo aconteceu quando o ator tinha 26 anos de idade. Entretanto, o ator falou publicamente sobre o caso pela primeira vez nessa semana.

Liam Neeson não é o único

Em poucos dias o ator já declarou diversas vezes que não é racista ou preconceituoso. Agiu movido pelo ódio e se arrepende do que fez. O problema é: no mundo inteiro, os racistas não admitem a discriminação que propagam.

Vejamos o caso do Brasil, por exemplo: pesquisa realizada pelo Data Popular aponta que 92% dos brasileiros acreditam que há racismo no país. Por outro lado, apenas 1,3% se considera racista. Ou seja: quem tem preconceito não o admite ou não o enxerga.

Quantas vezes você já ouviu frases como “serviço de preto” ou “cor de ladrão”? Quantas vezes acreditou que alguém era bandido apenas pela cor da pele ou pelo local em que reside? Essas são faces do racismo. Racismo que mata milhões de pessoas todos os dias.

Embora poucos admitam que são racistas, atitudes de arrependimento como as de Liam Neeson são muito fáceis de encontrar.

Números da violência contra os negros

Liam Neeson quis matar negros inocentes em seu país. E isso também acontece no Brasil. O Atlas da Violência 2017, organizado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, indica que 74,5% das pessoas mortas em homicídios são negros.

Já o Atlas da Violência 2018 aponta que entre 2006 e 2016 o número de homicídios contra negros aumentou 23,1%. Já os homicídios contra brancos diminuíram 6,8%.

Em resumo: o Brasil vive um genocídio contra jovens negros. Isso em palavra da Organização das Nações Unidas (ONU). A discriminação racial em nosso país é tão grave que torna os negros muito mais vulneráveis à violência.

Exemplificando podemos usar o caso de Alagoas. Lá existem 69,7 assassinatos de negros para cada 100 mil habitantes. Em contrapartida, há 6,8% de homicídios de brancos para cada 100 mil habitantes.

“É como se os não negros alagoanos vivessem nos Estados Unidos, que em 2016 registrou uma taxa de 5,3 homicídios para cada 100 mil habitantes. E os negros alagoanos vivessem em El Salvador, cuja taxa de homicídios alcançou 60,1 por 100 mil habitantes em 2017″, explica o Atlas da Violência 2018.

Refletir para melhorar

É verdade que a maioria dos preconceituosos não saem às ruas decididos a matar. Mas suas atitudes fazem isso. Os negros ganham, em média, metade do salário dos brancos. Têm menos acesso à educação e ao mercado de trabalho. Ademais são quem mais habitam áreas de risco (como favelas e terrenos invadidos) e a maioria da população carcerária.

Tudo porque muitas pessoas, como Liam Neeson fez, generalizam os negros e acreditam que são violentos ou inferiores. Negam-lhes oportunidades e os culpam pelos problemas da sociedade, mesmo que eles não sejam os responsáveis.

“Para que possamos reduzir a violência letal no país, é necessário que esses dados sejam levados em consideração e alvo de profunda reflexão. É com base em evidências como essas que políticas eficientes de prevenção da violência devem ser desenhadas e focalizadas, garantindo o efetivo direito à vida e à segurança da população negra no Brasil”, afirma o Atlas da Violência 2018.

Você é racista?

Liam NeesonInfelizmente, milhões de pessoas são racistas sem nem sequer perceber que estão sendo. Por isso é muito importante que cada um reflita sobre seus atos e suas crenças.

“Se você se vê preconceituoso para com alguém ou alguma coisa, procure realmente conhecer a pessoa ou assunto. Informe-se. Pese os fatos. Permita-se o benefício da dúvida”, orienta o escritor Renato Cardoso. “Ouça opiniões equilibradas de pessoas não preconceituosas a respeito do que você está tentando conhecer melhor. Livre-se de suas opiniões preconcebidas, reúna os fatos, e decida segundo o que lhe parece mais correto e honesto. Não tenha medo de reconhecer que talvez estava errado”.

Você sofre com a discriminação?

O que você tem de entender é: a discriminação racial sempre existiu e certamente não a veremos extinta nessa geração. Portanto, é preciso aprender a tirar forças dessa situação, seja para lutar contra esse racismo ou para alcançar qualquer outro objetivo.

Em seu blog, o Bispo Edir Macedo ressalta que “a discriminação se apresenta como problemas que vêm de outras pessoas, que vêm da sociedade. Você passa a ser discriminado pela sua cor. Porque você é negro, muitas vezes você é criticado. Por ser negro, você é colocado para trás. Você é discriminado na escola, no trabalho, na vida sentimental, na vida social”, mas aquele que conhece a Palavra do Senhor e tem fé nela sabe que Deus não julga pessoas por sua aparência física, e sim por seu coração e suas atitudes. Portanto, para Ele, não existe diferença entre tons de pele.

“Se você tem uma fé viva depositada no Deus Vivo, essa discriminação que houve no passado, que há hoje em dia e que haverá no futuro, nunca irá te afetar”, afirma o Bispo. “A sua fé é um espírito que te leva para frente, que te arremete para o sacrifício, para o sucesso e para as conquistas. Ela não tem cor, ela é um espírito, um poder dentro de você”.

Se você tem sofrido com a discriminação racial, clique aqui e leia o artigo do Bispo Edir Macedo e entenda mais sobre o maneira de superar esse obstáculo.

ler mais
Notícias relacionadas
Reportar erro

comentários

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que o racismo do ator Liam Neeson pode ter a ver com você

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Fake news

Você sabe de alguma notícia falsa que tem circulado na internet sobre a igreja Universal? Relate aqui o caso que iremos trazer toda a verdade no site Mitos e Verdades

Formulário de Denúncia

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Expediente

Editora Executiva:

Cinthia Meibach

Coordenadora de Conteúdo:

Ivonete Soares

Repórteres:

Andre Batista, Daniel Cruz, Débora Picelli, Jeane Vidal, Michele Roza, Rafaella Rizzo, Sabrina Marques, Rafaela Dias



E-mail para Contato: redacao@sp.universal.org.br

Telefone:(11) 2392-3372

Endereço Rua João Boemer, 254 - Brás, São Paulo

Cep: 03018-000

Free WordPress Themes, Free Android Games