Rede aleluia
A botija do temor
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Bispo Macedo | 28 de Dezembro de 2021 - 00:01


A botija do temor

Um detalhe diferenciava as noivas loucas das noivas prudentes...

A botija do temor

“ENTÃO o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do esposo.
E cinco delas eram prudentes, e cinco loucas.
As loucas, tomando as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo.
Mas as prudentes levaram azeite em suas vasilhas, com as suas lâmpadas…” Mateus 25.1-4 

Recentemente, estava meditando sobre essa passagem. As virgens loucas eram exatamente iguais às prudentes. Eram noivas, virgens e tinham a lâmpada, contudo, a diferença estava na botija com azeite.

Sendo assim, essa botija não seria o temor?

As virgens loucas estavam tranquilas, achando que já estava tudo resolvido, que o azeite não acabaria antes do noivo chegar, e por isso não precisariam se resguardar com o sacrifício de carregar uma botija de azeite.

O interessante é que essas virgens loucas, ao verem as prudentes sacrificando por carregar a botija, em vez de perceberem que estavam sendo descuidadas, devem ter achado que as prudentes é que eram exageradas!

Achei muito forte porque assim somos todos nós, servos de Deus. Aparentemente, somos todos iguais, esperando o Noivo. Porém, alguns já perderam o temor, e quando recebem as orientações sobre continuar a vida de sacrifício, acham que é algo desnecessário, afinal, já são “noivas”!

Quando o servo é mau e negligente, todo mundo vê o que ele é, pois fica aparente! Contudo, o louco passa desapercebido aos olhos humanos, já que só o próprio louco pode se examinar e se arrepender antes que o Noivo volte.


A botija do temor
  • Bispo Wagner Negrão  


reportar erro