Rede aleluia
Quando o arrependimento chega tarde
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Renato Cardoso | 1 de agosto de 2017 - 09:48


Quando o arrependimento chega tarde

Quando o arrependimento chega tarde

Uma das coisas mais tristes quando um casamento chega ao fim é que o casal só reconhece o valor do que tinha quando já é tarde demais. Depois que assinam o divórcio, dividem os bens, a mobília, a guarda das crianças, os animais de estimação, e vão morar em casas separadas é que cai a ficha sobre o quanto deixaram para trás quando desistiram do casamento. E o sentimento é inevitável: “Poderíamos ter tentado um pouco mais.”

É claro, nem todo divórcio termina assim, e alguns são verdadeiros livramentos. Mas a grande maioria dos chamados “casamentos que não têm mais jeito” é possível restaurar.

Mas para realizar o que nunca conseguiu é preciso tentar o que nunca tentou. E pode começar com um dos parceiros — normalmente o mais forte.

 

Veja também:

Cadastre-se nesse blog e seja avisado de novos posts…


reportar erro