Rede aleluia
GERAÇÃO NEM-NEM SERVIU PARA ALGUMA COISA (inacreditável)
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Renato Cardoso | 21 de Junho de 2022 - 20:03


GERAÇÃO NEM-NEM SERVIU PARA ALGUMA COISA (inacreditável)

Ensinar isso sobre a fé...

Um dos grandes problemas sociais da atualidade é a existência dos jovens que nem trabalham nem estudam, apelidados de “nem-nem”. Eles ficam na total dependência dos pais ou da sociedade e nunca fazem algo produtivo.

Ao refletir sobre isso, lemos, em Tiago 2, que a fé precisa de obras, ações, ou seja, de manifestação em algum tipo de atitude real. De forma sintetizada, a fé é o que você faz e não o que você sabe a respeito de Deus, o que sente ou a sua filiação religiosa. Fé é o que você faz com aquilo que Ele diz em Sua Palavra.

Você poderá notar que a principal diferença entre a geração “nem-nem” e as anteriores é que as últimas criaram os filhos para trabalhar desde cedo. Trabalhar nos ajuda a aprender quais são nossas responsabilidades, sobre pontualidade e novas habilidades, nos ajuda a ver o fruto do trabalho e a reconhecer o valor das coisas.

Assim, não apenas estudamos, mas agimos, trabalhamos, produzimos. Isso não é advogar a favor do trabalho infantil ou condenar os estudos. Afinal, quantas pessoas existem hoje com diplomas debaixo do braço que não sabem fazer nada? Até as empresas sabem disso e já estão desprezando os diplomas e perguntando ao candidato o que ele fez e tem feito, pois querem saber o que ele criou e até em que fracassou, porque, se houve fracasso, é porque ele tentou.

Mas, se o estudante chega com o diploma, com cheiro de talco e sem experiência, as empresas o dispensam. Assim como o que você faz na vida é o que conta também é com a fé. Não adianta dizer que tem fé, que sabe a liturgia, que estuda e que investe em conhecimento, se você não coloca isso em prática.

De que adianta saber, por exemplo, que é preciso perdoar, se você não perdoa e não pede perdão? Se você quer saber sobre a sua fé, olhe para o que você está fazendo.

Se o que você faz está alinhado com o que está escrito na Bíblia e com o que você fala, então sua fé é real e você pode ter certeza de que ela lhe trará resultados. Mas, se há dissonância entre o que você fala e o que faz, sua fé é inexistente.

É como diz a Palavra de Deus: “assim falai, e assim procedei” (Tiago 2.12), ou seja, o que você falar deve também ser feito. Caso contrário, você será um mentiroso e estará mentindo até para si mesmo.


GERAÇÃO NEM-NEM SERVIU PARA ALGUMA COISA (inacreditável)
  • Bispo Renato Cardoso  


reportar erro