Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Núbia Siqueira | 9 de outubro de 2019 - 00:05


Os dois pecados de Davi

Entenda por que é totalmente falsa a ideia de “pecadinho” e “pecadão”

Pecado é a transgressão cometida pelo homem contra Deus, e pode ser um ato ou uma condição.

É totalmente falsa a ideia de “pecadinho” e “pecadão”, “pecado leve” ou “pesado”, pois todos são graves e, sem arrependimento, são capazes de levar à condenação no inferno.

Contudo, a maneira como o Altíssimo lida com cada falha revela que existem diferentes critérios. Se assim não fosse, a Bíblia não detalharia essas faltas e suas consequências.

Vamos analisar os exemplos abaixo para diferenciá-los melhor:

Davi já estava estabelecido em seu reinado e tinha muitas vitórias. Mas, enquanto os reis estavam com suas tropas na guerra, ele preferiu ficar no palácio e descansar. O ócio deu à luz o adultério e a gravidez da mulher do seu mais fiel militar, Urias.

Para ocultar o seu pecado, Davi mentiu, tramou e, por fim, mandou matá-lo.

A vida de Urias lhe rendeu a morte de quatro filhos. A mesma pena que ele sugeriu ao profeta Natã para que aplicasse ao “homem rico que tomou a ovelha do pobre” (2 Sm 12.1-7).

Davi cedeu à tentação da carne e pecou. Embora o arrependimento tenha lhe trazido o perdão, não o isentou de colher o mal que plantou. Sofreu a vergonha no mesmo terraço do palácio, foi traído cruelmente e ainda teve a espada da morte em sua família.

Anos mais tarde, o homem que havia aprendido na prática as consequências da desobediência, erra novamente.

Davi ignora as instruções da Lei sobre o censo e decide realizá-lo com propósito vaidoso. Ele vivia um momento de muitas realizações pessoais e sentia-se engradecido com elas. Quis medir sua força e saber o tamanho do seu exército. Orgulhoso, desconsiderou que suas vitórias vinham do Altíssimo.

O pecado agora nascera no seu espírito, e as consequências seriam pesadas. Entre três punições, recebeu a permissão de escolher a que viria sobre Israel. Isso mesmo! Toda a nação também sofreria com a sua transgressão. O pecado não traz dores somente para si, mas atinge todos que estão a sua volta.

Davi viu o Anjo do Senhor matar, por meio de uma peste, setenta mil homens.

O homem que tinha Deus como seu aliado, O tem agora como o Sentenciador com a espada na mão (1 Cr 21.16). O céu aberto que derramava bênçãos, passa agora a derramar o juízo.

Davi voltou-se para o Altíssimo com o seu espírito quebrantado e arrependido. Alcançou a misericórdia, e a peste cessou, ao erigir um Altar e sacrificar. O Altar que ele ignorou ao obedecer, agora era o único Lugar onde encontraria o socorro.

Nas duas ocasiões, Davi encontrou o perdão de Deus, porque, de fato, arrependeu-se. As consequências eternas dos seus atos foram apagadas. Porém, as consequências terrenas não.

A diferença entre esses dois pecados de Davi é que o primeiro foi cometido por uma fraqueza carnal, quando cedeu à tentação. O segundo foi espiritual, ao crer mais na força do próprio braço do que na Provisão Divina.

Em todo o tempo surgem oportunidades para pecar, e elas vêm para todos, mas devemos lembrar que o pecado é uma rebelião contra Deus, principalmente quando cometido por pessoas conhecedoras das Escrituras Sagradas.

Mesmo que os olhos humanos não o vejam ou não o qualifiquem como grave, pecado é pecado, e traz uma colheita dolorosa.


  • Núbia Siqueira 


reportar erro