Rede aleluia
O grande EU SOU
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Núbia Siqueira | 2 de outubro de 2019 - 00:00


O grande EU SOU

O grande EU SOU

O Evangelho de João narra os sete sinais milagrosos do Senhor Jesus com o objetivo de mostrar aos leitores que o Messias era o Filho de Deus, o Ungido do Altíssimo. Aqueles que cressem na Sua identidade receberiam vida em Seu Nome.

Todas as palavras lançavam luz para que os homens enxergassem além do Jesus nascido em Belém e criado em Nazaré e vissem o Próprio Deus Vivo descido do céu. Por isso, a visão a respeito dEle não poderia ser limitada à identidade de um Messias como líder político, ou de um rei, como Davi na história de Israel. Embora a expectativa de Israel a respeito de seu Messias fosse a de um líder que colocasse a nação novamente em um patamar de glória, esse não era o objetivo do Senhor Jesus e, tampouco, isso estava em Suas reivindicações, por essa razão tão poucas pessoas O compreendiam.

E essa falta de compreensão não se dava apenas por Ele se recusar a ser esse líder político que as pessoas imaginavam, mas por enfatizar Quem de fato Ele era. Isto é, ao dizer “EU SOU”, o Senhor Jesus afirmava e reafirmava Sua natureza Divina:

“Eu Sou o Pão da Vida” (6.35);
“Eu Sou a Luz do mundo” (8.12);
“Eu Sou a Porta” (10.7);
“Eu Sou o Bom Pastor (10.11);
“Eu Sou a Ressurreição e a Vida” (11.25);
“Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida” (14.6);
“Eu Sou a Videira Verdadeira” (15.1).

Essas declarações causavam um impacto tão grande nas pessoas que, muitas vezes, elas desejavam matá-lO. Justamente, porque elas remetiam diretamente ao que o Altíssimo respondeu a Moisés no deserto a respeito do Seu Nome:

“E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós.” Êxodo 3.14

Vamos entender a dimensão dessa resposta:

Hoje, os nomes dos filhos são escolhidos pelos pais sem muitos critérios, mas no passado não era assim. O nome de uma pessoa continha a essência do seu caráter, portanto, revelava quem ela era, sua origem e seu genitor. Podemos ver também que o nome nos é dado por alguém maior que nós, ou seja, quem tem a autoridade sobre a nossa vida.

No entanto, no caso do Todo-Poderoso, que não teve princípio e nunca terá fim e tampouco teve um genitor, pois é autoexistente, como dar um nome a Ele, ou quem poderia fazê-lo? Além do mais, se o nome envolvia quem as pessoas eram, como o Altíssimo, infinito em Seus atributos, poderia Se delimitar às Suas características ou Se definir em um único nome ou palavra? Impossível, mesmo assim, Moisés desejou saber o Nome de Deus.

Até então, ninguém conhecia o Nome de Deus, nem mesmo os patriarcas. O que acontecia era que, como prova de fidelidade aos Seus servos, o Altíssimo juntava Seu Nome ao deles e assim passava a Se autoidentificar como Deus de Abraão, Isaque e Jacó.

Mas, a resposta dada a Moisés revela que “EU SOU” além de envolver todas as Suas infindáveis qualidades, como imutabilidade, autoexistência, eternidade, fidelidade, misericórdia etc., traz em si tudo o que Deus é e que o Seu povo precisa que Ele seja.

Em outras palavras, àqueles que precisam de vida: “EU SOU A VIDA”.

Àqueles que estão perdidos: “EU SOU O CAMINHO”.

Àqueles que precisam de justiça: “EU SOU A JUSTIÇA”.

Diante disso, a extensão do conceito do Nome de Deus vai além do que o entendimento humano alcança.

Ademais, é importante saber que na língua hebraica não é possível conjugar o verbo “ser” na primeira pessoa, a não ser o Próprio Todo-Poderoso Se referindo a Si Mesmo. Isso significa que, no hebraico, ninguém pode dizer que é isso ou aquilo, e sim, “eu isso” ou “eu aquilo”, pois o “sou” é exclusivo de Deus.

Isso é tão rico e profundo que, somente nessa resposta a Moisés, podemos ter outras ricas interpretações de como Deus Se autodenomina: “Eu Serei o que Serei”; “Eu Sou porque Sou”; “Eu Sou Aquele que é e que será” etc.

Esse conhecimento nos leva a entender que apenas Deus é e ponto! Isso significa que todo o restante, isto é, os seres humanos, os animais, a natureza, o universo e a Criação como um todo subsistem nEle, e basta o Seu querer para tudo deixar de existir ou subsistir, pois somos todos completamente dependentes dEle!

Isso também quer dizer que nunca houve um tempo em que Deus não fosse e nunca haverá um tempo em que Ele não será. Portanto, quem é o homem para afirmar “Eu sou isso ou aquilo”, como se tivesse ou vivesse em condição permanente? Ou, presunçosamente, intimidar alguém com a famosa frase: “Você sabe quem sou?

É por isso que, todas as vezes que o Senhor Jesus unido ao Pai conjugava o verbo na pessoa Divina, Ele cabalmente Se apresentava como Deus.
“Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, EU SOU.” Jo 8.58,59

Ele fazia isso para despertar a consciência dos Seus ouvintes. No entanto, enquanto alguns criam, outros pegavam em pedras para matá-lO por considerarem Sua afirmação sobre Si Mesmo uma blasfêmia.

Assim, no Senhor Jesus encontramos tudo aquilo que nossa alma tanto necessita. Por isso nós reconhecemos nEle, e no Seu Nome, a própria revelação do Altíssimo. É impossível, portanto, viver sem Ele!


O grande EU SOU
  • Núbia Siqueira/ Foto: Getty Images 


reportar erro