Rede aleluia
Vovôs e vovós mais conectados
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 5 de Abril de 2021 - 20:32


Vovôs e vovós mais conectados

Geração acima dos 60 anos tem aproveitado mais os recursos da internet no cotidiano

Vovôs e vovós mais conectados

A internet já não tem mais aquela cara de algo feito só para os jovens. Eles podem ser maioria, mas a geração acima dos 60 anos está chegando com tudo e, pelo jeito, para ficar. Com seus computadores, tablets e celulares à mão, essas pessoas já realizam atividades do dia a dia como compras, educação, atualização das notícias, procedimentos burocráticos, redes sociais e interação com parentes e amigos.

Em 2020, a pandemia incentivou e até forçou o ingresso de vovôs e vovós no mundo virtual.
Os mais velhos até poderiam ser mais avessos ao que é digital, com algumas exceções, entretanto cresce o número dos que utilizam a internet, o que traz benefícios e riscos, dependendo de como a ferramenta é usada. Uma pesquisa recente feita pela Kantar Ibope Media, líder mundial em inteligência de mídia, mostrou que no Brasil 66% dos idosos com acesso à internet interagiram nas redes sociais em 2020.

Destes, 85% entraram em sites para saber de produtos e serviços, sendo que 75% efetuaram compras – incluindo a de comida entregue em casa.

Os vovôs e vovós digitais não são ignorados pelo mercado. Pelo contrário: os compradores on-line de 61 anos ou mais representaram nada menos que 6% do faturamento do e-commerce em 2020 (R$ 7,7 bilhões, contra R$ 4,6 bilhões em 2019), segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm).

A interação com a família e os amigos distantes durante o isolamento imposto pela pandemia também cresceu muito, com a adesão de 95% dos idosos a aplicativos como o WhatsApp no ano passado, segundo a Kantar Ibope.

Calebe digital

Uma dessas pessoas conectadas à família é Vera Lúcia de Andrade, de 60 anos, de São Paulo. Ela até já acessava a internet em computadores desde 2015, mas a praticidade do smartphone a conquistou: “eu tinha muita dificuldade com o celular, mas o Grupo Calebe, com os cursos que oferece aos idosos sobre a internet, me ajudou muito. Até falava um pouco com a minha família por mensagens e áudio, mas não sabia tirar e mandar fotos, fazer chamadas em vídeo, entrar em alguns sites. O grupo me ajudou muito e hoje tiro tudo isso de letra”.

Os pais e nove irmãos de Vera moram no Espírito Santo, o que gerou uma grande ramificação de sobrinhos e demais parentes distantes dela, quase todos ligados hoje pela internet. Para ela, o Calebe resolveu um problema recorrente: “geralmente, quando um idoso quer algo na internet e não consegue, deixa de fazer ou pede ajuda a alguém mais jovem. Só que a pessoa costuma fazer e não nos ensina. Quando soube que o Calebe ensinava, me interessei. Com as aulas presenciais suspensas pela pandemia, os membros continuaram a nos ensinar on-line, com atividades e mais cursos que considero um marco na minha vida, e não preciso mais pedir tantos favores”.

Benefícios e riscos

Mas a internet tem seus perigos. “Tem muita gente querendo aplicar golpes em idosos, mas o Calebe ensina a não abrir links suspeitos, por exemplo, o que nos causava mais problemas”, diz Vera. “A Universal tem muito cuidado com quem participa de suas atividades. Hoje, sei que não devo entrar em qualquer site. Nos orientam também a não ficar tanto tempo conectados, pois é mesmo uma tentação.”

Vera se conecta aos parentes por meio da internet, lê a Bíblia, acompanha o noticiário e agora até ajuda outras pessoas com sua experiência digital. Recentemente, ensinou um casal de amigos a tirar fotos e fazer vídeos para mostrar os produtos que a filha deles vende na loja on-line de roupas que abriu. “Eu prefiro comprar presencialmente, mas quando precisar ser pela net, farei sem problemas”, diz.

Não só para jovens

O Bispo Antônio Santana, responsável pelo Calebe, destaca o alcance do projeto: “muitos idosos acham que aprender a mexer com as tecnologias não é para eles e que já estão ultrapassados. O Calebe tem mostrado que isso é possível e que eles são capazes de aprender, pois as ferramentas básicas fazem com que estejam mais perto da família, dos amigos e possam usar a internet para aprender coisas novas”.

A internet, inclusive, é uma via de mão dupla para o Calebe: “principalmente neste período de pandemia, acompanhamos muitos idosos virtualmente, desde os atendimentos até o apoio social. Os ensinamentos seguiram on-line durante o mês de janeiro e hoje vemos o resultado: muitos Calebes já conseguiram se inteirar. Usando a sabedoria, é possível fazer da internet uma aliada em qualquer idade”, finaliza.


Vovôs e vovós mais conectados
  • Marcelo Rangel / Foto: Getty Image e Cedida 


reportar erro