Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 4 de novembro de 2018 - 01:05


Voto evangélico foi decisivo para vitória de Jair Bolsonaro

Mestre em filosofia aponta por que esse posicionamento refletiu com força no resultado eleitoral

Segundo o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os evangélicos representavam 6,6% da população em 1980. Depois de 30 anos, no Censo de 2010, a porcentagem já era de 22,2%. Em 2018, estima-se que esse número seja ainda maior.
Durante o segundo turno, em que Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) disputavam a cadeira da presidência do Brasil, em pesquisa divulgada pelo Datafolha – publicada em 25 de outubro –, 59% de evangélicos declararam o seu voto em Bolsonaro e 26% escolheram Haddad.
Tal representatividade pôde ser comprovada definitivamente em 28 de outubro, com a eleição do novo presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, de 63 anos. Com 100% das urnas apuradas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ele atingiu 55,13% dos votos válidos, um total de 57.797.456 votos, ao passo que seu adversário, Fernando Haddad, ficou com 44,87%.
A eleição de Bolsonaro repercutiu em diversas partes do mundo. Inclusive, o peso do voto evangélico foi destaque, por exemplo, no jornal diário francês Le Fígaro.
Em seu primeiro discurso como presidente eleito, Jair Bolsonaro agradeceu a todos os brasileiros pelo apoio, pela consideração, pelas orações e pela confiança, pedindo a Deus que, mais do que inteligência, lhe dê forças para bem conduzir o futuro do Brasi. Em seguida, foi realizada uma oração pelo ex-senador Magno Malta.
Em entrevista ao programa Brasil Notícias, da Rede Aleluia – apresentado pelos jornalistas Ana Carolina Cury e Décio Caramigo no dia 29 de outubro –, André Assi Barreto, mestre em filosofia pela Universidade de São Paulo (USP) , disse que o resultado confirma a tendência das pesquisas e o desejo da população pelo fim da velha política.
“O sentimento antipetista foi, sim, aglutinado na campanha de Jair Bolsonaro, mas a sua vitória também representa a adesão das pessoas a um projeto positivo; eu diria um projeto patriota, então temos um quadro de confirmação de tendências”, pontuou.
A campanha de Bolsonaro foi marcada por muita tensão, desde a facada que ele levou, em 6 de setembro, até os frequentes ataques de ódio aos cristãos. As fake news e os atos de vandalismos contra igrejas evangélicas foram recorrentes.
André explica que um dos erros cruciais do PT foi atacar os evangélicos, que foram essenciais para o resultado eleitoral. “Os evangélicos, sem dúvida, foram cruciais para essa eleição e os rumos que ela tomou. Insisto muito na tese da representatividade dos valores. As pessoas evangélicas tomaram ciência disso e procuraram escolher candidatos harmonizados com esses valores e isso está rumando num sentido bastante positivo de participação, de melhora, de esclarecimento. O voto evangélico foi decisivo para essa eleição”, enfatizou.
Fim ao ciclo político atual
O cientista político Leonardo Barreto ressaltou que Bolsonaro é o primeiro presidente efeito fora da polarização entre PSDB e PT desde 1994.
“A vitória de Bolsonaro põe fim a um ciclo de grande estabilidade política que se iniciou nas eleições de 2014 e culminou no processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. O presidente eleito terá que contornar velhos hábitos e procedimentos que já estão arraigados dentro da política brasileira”, observou.
O cientista político Edson Rildo e a diretora do Movimento Voto Consciente e educadora política, Rosângela Giembinsky, salientam que a participação popular não termina aqui. Eles orientam os eleitores a acompanharem o trabalho dos eleitos.
“Entendemos que esse caminho se inicia; não é um caminho que termina no voto, mas que começa com o voto, e sinto que as redes sociais e a própria internet vão ajudar muito nisso, então se comunique, fale com a assessoria, esse é o caminho, ou seja, quanto mais pessoas participarem, mais atingiremos a todos”, finalizou Rosângela.
(*) Com entrevistas do programa Brasil Notícias, da Rede Aleluia


  • Redação* / Foto: Fotolia 


reportar erro