Rede aleluia
Voluntários ajudam jovens do Timor-Leste a aprender língua portuguesa 
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 24 de julho de 2020 - 16:27


Voluntários ajudam jovens do Timor-Leste a aprender língua portuguesa 

Durante 24 anos idioma foi proibido, mas desde 1999 o português é uma das línguas oficiais no país

Voluntários ajudam jovens do Timor-Leste a aprender língua portuguesa 

Uma iniciativa da Igreja Universal do Reino de Deus de Timor-Leste oferece, gratuitamente, aulas de reforço de Língua Portuguesa para estudantes da rede pública do país. Destinadas a alunos dos níveis secundário e universitário (entre 16 e 30 anos), as aulas já acontecem há 4 anos e, atualmente, contam com 120 alunos registrados.

Um estudo da Monash University, na Austrália, aponta que cerca de 9,4% dos jovens timorenses entre os 12 e os 18 anos não completaram qualquer nível escolar. Além disso, 59% dos jovens de 16 anos estão dois ou mais níveis abaixo do que deveriam.

A ação da Universal timorense ajuda a suprir essa defasagem. Com uma hora de duração, as aulas são realizadas em quatro dias da semana (domingo, segunda, quarta e sexta-feira) e em três horários diferentes (9h, 14h e às 17h). As dúvidas ligadas à língua portuguesa, como gramática, redação, tradução e pronúncia são esclarecidas pelos voluntários.

As aulas ministradas servem de apoio para reforçar o que os estudantes aprendem na escola ou universidade. O material utilizado é aquele disponibilizado pelo Governo do Timor-Leste para a rede pública de ensino.

“Depois que comecei a participar das aulas, melhorei na compreensão de tudo o que os professores ensinam na escola. O material didático é todo em português, e eu tinha muita dificuldade. Minhas notas melhoraram e hoje eu consigo escrever, entender e falar o idioma”, comemora Julia dos Santos Gonçalves, 19, aluna do ensino secundário.

Há 30 dias, o país decretou o fim do estado de emergência e, desde então, o trabalho social foi retomado.

Língua proibida 

Timor-Leste foi colonizado por Portugal. No entanto, em 1975, houve a invasão da Indonésia no país, e, nesse período, foi proibido o uso da língua portuguesa. Em 1999, o país conquistou a independência. Desde então, a língua portuguesa passou a ser uma das línguas oficiais, além do tétum.

O responsável pelo trabalho social no país, Soares Santos, explica que quando a Igreja Universal chegou na nação asiática, foi identificado que apenas 30% da população fala o português e que os estudantes apresentavam muitas dificuldades no aprendizado do idioma.

Além disso, também foi observado uma grande carência financeira, já que boa parte da população vive abaixo da linha da pobreza e muitos são analfabetos. O Timor-Leste está classificado no 133º lugar no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

“O objetivo das aulas é aprimorar leitura, escrita e fala da língua portuguesa, e assim colaborar com o desenvolvimento do país”, conclui Soares Santos.

Para o estudante de engenharia geológica Juvenal Sarmento, 25, falar o português era um sonho inacessível. “Todos os cursos que haviam no Timor-Leste eram pagos e eu não tinha condições financeiras para pagar. Quando ouvi em uma programação de rádio sobre aulas de reforço da língua portuguesa gratuitas, logo me interessei”.

Há 5 meses participando da turma de reforço, Juvenal afirma que tem aprendido muito. “Sempre que possível, tiro minhas dúvidas em questão das matérias da universidade, aprendi a ler, escrever e falar corretamente o português”.


Voluntários ajudam jovens do Timor-Leste a aprender língua portuguesa 
  • Unicom / Foto: Cedida 


reportar erro