Rede aleluia
Você tem “oficializado”  seus sentimentos?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de Janeiro de 2022 - 00:05


Você tem “oficializado” seus sentimentos?

As emoções são inevitáveis, mas colocá-las no comando de sua vida pode gerar um grande problema

Você tem “oficializado”  seus sentimentos?

Quase todas as pessoas concordam que a mulher tem seu lado emocional mais aflorado do que o homem. Por isso, leitora, é preciso ter cuidado e sabedoria ao lidar com as emoções para não se tornar refém delas.

Muitas mulheres se apegam à desculpa de que são sentimentais para justificar a escolha de viver em função dos sentimentos: é assim que elas se entregam às emoções, vivem sofrendo por situações passadas durante muito tempo e se colocam sempre no lugar de “vítimas”.

Em uma meditação disponível na plataforma Univer Vídeo, a colunista Cristiane Cardoso refletiu sobre o assunto e citou a situação do rei Davi, que se entregou às emoções por causa da perda do filho, como está em 2 Samuel 19.1-2: “E disseram a Joabe: Eis que o rei anda chorando, e lastima-se por Absalão. Então a vitória se tornou naquele mesmo dia em tristeza por todo o povo; porque naquele mesmo dia o povo ouvira dizer: Mui triste está o rei por causa de seu filho”.

A escritora explicou que Davi continuou com a tristeza dentro de si e que isso o prejudicou. “É normal uma pessoa ficar triste por um acontecimento recente, então era de se esperar aquele ‘baque’.

O problema foi ele continuar com aquele sentimento. Esse é um erro muito comum, principalmente entre as mulheres”, disse.

Ela salientou que, quando uma pessoa se deixa levar pelas emoções, ela desvaloriza quem está a seu redor. “Quando você se lança nesses sentimentos, você desvaloriza todo mundo que está ao seu redor, inclusive Deus. No caso de Davi, o Senhor tinha dado a vitória e honrado o rei até aquele momento, mas, por conta dessa entrega ao sofrimento, Davi passou a desprezar o que tinha recebido e todos os que estiveram de seu lado”, afirmou.

É compreensível sofrer em razão de um momento difícil, mas quem é da fé não pode permanecer no sofrimento. “Você precisa chegar ao momento de entregar tudo a Deus e seguir em frente. Você não pode ficar de uma forma que todos a seu redor se sintam mal e sem saber o que fazer porque você oficializa e vive esse sofrimento”, ressaltou.

Cristiane ainda alertou que hoje há mulheres que estão com depressão e ansiedade porque se entregaram ao que sentiam. “Há quem seja cristã, mas ouça de um ateu, familiar ou médico que está com depressão ou ansiedade porque se entregou aos sentimentos e não agiu a fé, apesar de sempre ouvir falar sobre isso.”

Mesmo diante de situações difíceis e sentimentos conflitantes, a mulher precisa viver pela fé e olhar para a frente, evitando, assim, “oficializar” e dar mais espaço ao que sente. “Quando você se entrega aos sentimentos, às dores e ao desânimo e fala sobre eles, é como se estivesse indo ao cartório e os oficializando em você. Então, experimente: mesmo que não esteja bem, evite falar sobre o problema, resista a isso, pois não precisamos oficializar o que sentimos”, finalizou.


Você tem “oficializado”  seus sentimentos?
  • Camila Teodoro / Foto: getty images 


reportar erro