Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 3 de novembro de 2019 - 00:05


Você sabe o que é projeção financeira?

Como usar essa ferramenta que poderá ajudar sua empresa a obter sucesso

Abrir um negócio e mantê-lo em pleno funcionamento não é brincadeira. De cada quatro empresas abertas, uma fecha antes de completar dois anos, de acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Há um fator que contribui bastante para isso: a falta de projeção financeira. Trata-se de um exercício de tentar prever o que pode acontecer com as finanças da empresa, baseado em previsões que projetam se a empresa terá capacidade de honrar os compromissos, e ele pode ser fundamental para o sucesso dela.

Bom senso
De acordo com Felipe Chiconato, consultor de negócios do Sebrae/SP, a projeção financeira pode ser aplicada tanto por empresas como por pessoas físicas. “A projeção financeira antecipa cenários e faz com que você consiga antever possíveis problemas e ganhe tempo para tomar a melhor decisão para solucioná-los. Enquanto o universo de planejamento da pessoa física é mais limitado e com mais certezas, o da empresa precisa considerar as variáveis. Por isso, é preciso ter bom senso na hora de fazê-la, justamente pelo grau de aprofundamento que se dá no momento de projetar”, adverte.

Decisão
Segundo o consultor, a projeção financeira possibilita que se tome a decisão capaz de maximizar o lucro da empresa. “Há também a chance de ganhar tempo para procurar alternativas para possíveis problemas e, quando ela é bem-feita, torna a empresa mais eficiente.

Deve-se primeiro levantar a política de crédito da empresa, depois projetar suas vendas e custos, entender bem seu mercado de atuação para validar se as projeções estão coerentes, prever algumas hipóteses e colocar essas informações nas ferramentas específicas.”

Regimes
Chiconato avalia que é importante fazer um estudo detalhado, pois se a análise for superficial, sua margem de erro será muito maior. “Normalmente, a projeção é feita com base no regime de caixa, quando se projetam os possíveis recebimentos e pagamentos para um período de tempo determinado; ou pelo regime de competência, quando é levado em consideração o que vai ser vendido e os custos da venda. O cálculo deve respeitar a política de crédito da empresa ou como ela recebe e paga seus credores e cruzar esses dados com a estimativa de vendas e custos”, diz.

Tipos
De acordo com o especialista, há dois tipos de projeção financeira: “a projeção financeira de caixa é usada para dimensionar a necessidade de capital de giro da empresa ou quando se projeta o caixa para verificar se há capacidade de pagamento. A ferramenta utilizada nesse caso é o fluxo de caixa. Já a projeção financeira de resultados avalia o possível lucro da empresa em cenários diferentes, possibilitando tomar a decisão que maximize o lucro da companhia. Neste caso usa-se o demonstrativo de resultado do exercício”.

Precisão
Na opinião de Chiconato, com a projeção você se prepara para o pior cenário. “Toda projeção possui um grau de incerteza e, caso aconteça alguma mudança, é preciso revê-la. Mesmo que você não conheça todas as ferramentas ou todo o mercado em que está inserido, é importante fazê-la. Com o tempo, ela se tornará mais precisa”, analisa.

Quer ter novas ideias para para o sucesso de sua empresa? Participe da Nação dos 318, às segundas-feiras, no Templo de Salomão ou na Universal mais próxima (veja endereços na página 31 ou acesse universal.org/localizar/).


  • Eduardo Prestes / Foto: Getty Images / Arte: Edi Edson 


reportar erro