Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 31 de janeiro de 2019 - 10:20


Você já perdoou hoje?

O perdão é a chave de um novo recomeço

Infelizmente, ninguém consegue alterar o que aconteceu no passado. Alguns episódios que ocorreram na infância ou adolescência causam sofrimento, ainda mais se eles foram provocados pelos pais, que deveriam prover a proteção.

Para muitos, os acontecimentos amargos como uma palavra de repreensão, uma bronca, presentes e passeios negados ou uma ausência muito sentida não machucam só porque continuam vivos na lembrança, mas, também, porque atrapalham o convívio familiar, a autoestima e a confiança em si mesmo.

Foi o que aconteceu com Genivaldo Júnior Santos, de 25 anos (foto ao lado). O jovem relatou ao site Universal.org que sentia muito ódio do pai, que o rejeitou desde o nascimento.

“O ódio pelo meu pai começou na infância, após eu ser rejeitado como filho. Ele não me aceitou, por causa do meu tom de pele. Ele é branco e eu pardo”, lamentou.

Em consequência à rejeição e ao ódio que Genivaldo carregava, ele também acumulou mágoas, complexo, solidão e falta de amor-próprio.

“A ausência do meu pai só me trazia coisas ruins. Nesse tempo, minha mãe fez de tudo para tentar suprir a carência do amor paterno, foi uma fase difícil”, disse.

O poder do perdão

Perdoar significa eliminar todos os ressentimentos, raiva ou rancor por si ou por outra pessoa. O perdão engrandece o espírito e afasta tudo o que há de ruim. É um dos maiores desafios, pois, está relacionado à capacidade de aceitação.

Após muitos anos sentindo ódio, Genivaldo conheceu o poder da fé e do perdão.

“Em mais uma madrugada sem dormir, assisti ao programa ’Fala que Eu te Escuto’. Ali, vi que Deus poderia me ajudar, então, pedi força a Ele e também coragem para procurar uma Universal. Estou há sete anos na presença de Deus e O sirvo, como obreiro, há cinco anos”, relembra.

Com o tempo, Genivaldo, então, concluiu que o perdão é o melhor caminho: “Saí de Alagoas, e fui até o interior do estado. Ali, encontrei meu pai e pedi perdão. Ele também se desculpou. E, hoje, graças a Deus, temos um bom relacionamento.”

Se você se identificou com a história de Genivaldo, e deseja também ficar livre deste sentimento de ódio e deseja perdoar, procure uma Universal mais próxima de sua casa (consulte o endereço) e participe dos encontros de fé, que acontecem diariamente.


  • Sabrina Marques / Fotos: iStock e cedida 


reportar erro