Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 6 de setembro de 2019 - 10:55


Você já ouviu falar na “síndrome dos aplicativos de relacionamento”?

Autor do livro “Casamento Blindado” explica o que é e como isto prejudica a vida amorosa

A internet trouxe oportunidades jamais imaginadas para o ser o humano em todas as áreas. Inclusive a amorosa. De acordo com uma pesquisa realizada por um aplicativo de relacionamentos, só no Brasil, 60% da população faz uso desse tipo de serviço.

Outra pesquisa, desta vez realizada pelo Match Group (dono de várias plataformas de relacionamento online), em 2017, mostrou por que os solteiros optam por essa forma de se relacionar.

A falta de tempo para sair (11%) ou a facilidade em encontrar pessoas com os mesmos interesses (60%) são citadas. Outros 19% também afirmaram que, por meio deles, podem conhecer muito mais pretendentes.

Benefício ou prejuízo?

Mas os benefícios não são tantos assim, quanto os apresentados acima. Renato Cardoso, co-autor do livro “Casamento Blindado 2.0”, afirma que esse hábito pode fazer surgir a síndrome dos aplicativos de relacionamento.

Há uma aparente facilidade em conhecer pessoas, mas essa oferta não facilita a durabilidade dos relacionamentos. Ao contrário, traz mais dúvidas, como ter alguém mais interessante disponível.

“A pessoa tem a impressão de que vai encontrar alguém melhor, fica com medo de casar com uma e, assim, perder outra melhor, mais bonita ou mais inteligente que pode conhecer daqui um ano. Dessa forma, as pessoas ficam indecisas, inseguras, insatisfeitas com o que têm”, explica Renato Cardoso.

Frustração

Outro problema é o uso se tornar um vício, o que também gera frustração em ambos os sexos, acrescenta o escritor. Pelo fato de o mundo virtual estar cheio de pessoas sem objetivos dignos, as experiências nesses aplicativos são cada vez piores.

“Vemos uma descrença ainda maior no amor. Homens que desvalorizam as mulheres e mulheres descrentes dos homens, que só querem sexo”, diz.

Na Terapia do Amor casais e solteiros aprendem os segredos do amor inteligente. Se você tem dúvidas em relação à vida a dois e quer aprender mais sobre uma vida amorosa saudável ou mesmo tratar-se de dores do passado, não deixe de participar!

Ela acontece todas as quintas-feiras, às 10h, 15h e 20h, no Templo de Salomão. O endereço é Avenida Celso Garcia, 605, Brás, zona leste de São Paulo. Ou procure aqui o endereço de onde acontece essa mesma palestra.


  • Rafaella Rizzo / Foto: Getty Images 


reportar erro