Rede aleluia

Notícias | 7 de julho de 2019 - 00:05


Você está sendo Testado ou tentado?

Nem sempre o teste é uma provação vinda de Deus. Sua atitude é que determinará que tipo de fé você tem, e vice-versa

Às vezes algo vai muito mal em sua vida e você não consegue entender o motivo. Resultado: frustração, confusão e questionamentos do tipo “o que fiz para merecer isso, se faço tudo certo?”

Suponha que recebeu más notícias de um médico sobre sua saúde. Se você tem fé e sabe usá-la – sim, não basta ter sem saber o que fazer com ela –, continuará voltado para a vontade de Deus, em obediência, e buscará forças no Espírito Santo para sair dessa situação. Ao final, a experiência servirá de lição a você mesmo e aos que souberem da sua história por seu testemunho.

Ou não. Alguns, diante de uma situação assim, ficam com dúvidas. “O que eu fiz?”, questionam-se. Sentem-se punidos, culpam Deus pelo que sofrem e desejam saber o que fizeram para merecer tal infortúnio. Como se o Altíssimo fosse o culpado pelo sofrimento.

Às vezes, em vez de se voltarem para Deus, muitos buscam falsos refúgios no mundo, tentando sofrer menos. Usam drogas, álcool, vão a festas nada recomendáveis, gastam com “presentes” para si mesmos na tentativa de compensa, recorrem à prostituição, esvaziam suas mentes com videogames ou bobagens na TV. Ou seja: afastam-se cada vez mais de Deus, ofendem-No, não deixam Seu Espírito agir.

Como podem querer melhorar?

É um teste?
Há uma diferença entre testar e tentar. Deus não tenta ninguém; Ele testa. E o teste em questão não é para Ele, é para você entender do que sua fé é capaz. O diabo é que tenta, se aproveita da fragilidade emocional daquele momento.

Na Bíblia, algumas vezes Deus Se afastou de algum filho Seu para, intencionalmente, ele sentir essa fé. Jó é o caso mais conhecido. Mesmo perdendo tudo, não deixou de ser fiel. Mas nem sempre é assim. Às vezes a própria pessoa, ao desobedecer, cria os problemas pelos quais passa. Em outras, são simplesmente coisas ruins que podem acontecem na vida de qualquer um.

Outro exemplo bíblico é o de Abraão. Ele teve que levar seu filho Isaque para ser sacrificado, sob ordens do próprio Deus. O ancião não cedeu à dúvida, creu em Deus e seguiu Sua vontade. Lá, entendeu que Deus não queria seu filho, mas que ele entendesse o poder de sua obediência. Por isso Abraão é o pai da fé, pois a mostrou a toda a sua descendência – todos os seres humanos.

Os vitoriosos se voltam para Deus e são provados, descobrem que são capazes de obedecer ao Pai porque escolheram isso. É uma opção consciente, não um impulso emocional.

“O diabo, sabendo do valor da prova – ela é a solução para todo e qualquer problema quando apresentada no Altar de Deus –, tenta deturpar o seu verdadeiro sentido”, revela o Bispo Djalma Bezerra em texto publicado no blog do Bispo Edir Macedo. “Muitos estão sofrendo, gemendo, se desesperando, e, infelizmente, pensam que estão sendo provados. Há até quem diga diante de coisas como câncer, miséria, traição e tantas outras dores que ‘Deus está me provando, estou passando por uma prova muito grande’.”

Nem sempre, continua o Bispo: “Porém, todo esse sofrimento não é uma prova. Ao contrário, é necessário provar a fé diante desses males, e assim acabar definitivamente com essa situação”.

Abraão, como dito há pouco, não passou por uma provação porque desejava muito um descendente direto e não o tinha, vivendo angustiado. “A prova dele não foi o fato de não ter um filho. A prova de Abraão foi colocar o filho no Altar, no monte Moriá”, esclarece o Bispo Djalma. Pôs o que tinha de melhor em sua vida à disposição de Deus, abriu mão do que mais amava no mundo para Ele. “Foi provado e também aprovado, e por isso foi considerado pelo Altíssimo o pai da fé”, conclui.

Da mesma forma, mesmo diante dos maiores dos sofrimentos, continuar obedecendo a Deus independentemente de qualquer coisa é colocar você mesmo no Altar para Ele.

Ceder à tentação é oferecer sua alma para o diabo. Os resultados são claros, pois a toda hora vemos testemunhos de vitoriosos aqui mesmo nessas páginas. “Os amigos de Deus são todos aqueles que são aprovados no Seu Altar”, finaliza o Bispo Djalma Bezerra.


  • Marcelo Rangel / Fotos: Getty Images 



reportar erro