Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 8 de setembro de 2018 - 00:05


Você está na fase de procurar onde sentar assim que chega em algum lugar?

Saiba que esse tipo de atitude pode trazer problemas para sua saúde. Entenda

Hoje em dia, não é incomum encontrar pessoas que trabalham por horas sentados em frente a um computador ou dirigindo um carro. Também tem gente que não desperdiça a oportunidade de sentar quando entra no ônibus ou assim que chega em casa. O que muitos não sabem é que isso também é uma forma de sedentarismo e traz prejuízos à saúde.
Sedentarismo traz prejuízo de 54 bilhões de dólares por ano, diz OMS
Uma pesquisa da Universidade de Queensland, na Austrália, afirma que a cada hora que uma pessoa passa sentada sua expectativa de vida diminui em 21 minutos. Em outro estudo ela revelou que para as mulheres a prática é ainda mais prejudicial, pois torna sua saúde mais frágil, além de diminuir os anos de vida.
“Fragilidade significa que você tem menos reservas para se recuperar de doenças ou ferimentos. Também está ligada ao aumento do risco de hospitalização, quedas, mudança para instalações de cuidados residenciais e mortalidade prematura”, explica Paul Gardiner, um dos autores do estudo.
Os pesquisadores analisaram o comportamento sedentário de 5462 mulheres idosas, por 12 anos, dividindo o tempo sentado em três categorias: baixo (3,5 horas por dia), médio (5,5 horas por dia) e alto (10 horas por dia). As que faziam parte do grupo de alto nível corriam mais risco de se tornarem frágeis, já as participantes que diminuíram o tempo sentada em cerca de duas horas por dia reduziram o risco de vulnerabilidade.
Os especialistas complementam o estudo sugerindo que adultos com 65 anos ou mais pratiquem pelo menos 2 horas e meia de atividade aeróbica (corrida, caminhada, natação) de intensidade moderada e exercícios de fortalecimento muscular duas vezes por semana.
Gostou? Compartilhe em suas redes sociais!


  • Rafaella Rizzo / Foto: iStock 


reportar erro