Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 13 de maio de 2018 - 03:05


Você busca um emprego?

Cuidado: golpistas estão oferecendo falsas vagas de trabalho para enganar vítimas. Armadilhas circulam em anúncios na internet, cartazes nas ruas e até no WhatsApp

O desemprego tem levado milhares de brasileiros a cair em armadilhas. Isso porque muitos golpistas estão aproveitando a falta de trabalho para criar anúncios falsos de processos seletivos. No Rio de Janeiro, uma quadrilha aplicou golpes em mais de dois mil desempregados entre novembro de 2017 e abril de 2018. Segundo denúncia feita em abril pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), a empresa de fachada atraía os desempregados com a oferta de falsas vagas de emprego.

A empresa, chamada IDM Importando do Mundo, pedia que cada candidato pagasse R$ 50 para a compra de um curso e indicasse mais cinquenta pessoas para adquirir o suposto treinamento. Ao final do contrato de experiência, mesmo que atingisse a meta estabelecida, a pessoa era demitida sem receber verba rescisória. O chamado golpe da pirâmide do emprego rendia até R$ 8 mil de lucro diário aos aproveitadores, de acordo com o MP-RJ. Os quatro integrantes da quadrilha foram denunciados pelos crimes de estelionato, associação criminosa e supressão de documento. Hoje, o Brasil tem 13,7 milhões de pessoas desempregadas, segundo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Golpe no WhatsApp

Em janeiro, pelo menos 1 milhão de brasileiros foram enganados com a falsa oferta de vagas em uma loja de chocolates. Segundo a empresa de segurança PSafe, os golpistas compartilharam um link via WhatsApp estimulando usuários a preencherem informações pessoais como nome, e-mail e residência para se candidatar às supostas vagas. Depois, os candidatos eram encaminhados a outra página que pedia o compartilhamento da mensagem em grupos de WhatsApp. Ao fornecer seus dados pessoais, o usuário fica vulnerável à ação de criminosos virtuais.

No mesmo mês, um anúncio de falsas ofertas de emprego nos Correios com salários de até R$4.903,05 se espalhou pelo WhatsApp e também atingiu mais de 1 milhão de acessos. Ao tocar no link falso, o usuário é encaminhado a uma página para fornecer dados pessoais e, posteriormente, é induzido a compartilhar o link para efetivar sua inscrição, segundo a PSafe.

Cuidados

Fellipe Silvester, especialista em comportamento e gestão de pessoas (foto abaixo), afirma que a busca por emprego exige muita atenção e pesquisa. “Como as pessoas querem um emprego, fica fácil usar esse gatilho para aplicar golpes. A dica é desconfiar de vagas urgentes, cobranças de taxas e ofertas muito acima da média do mercado”, alerta.

Ao encontrar uma vaga de trabalho, o candidato deve buscar o nome da empresa na internet, visitar o site oficial, verificar se existe um endereço fixo e avaliar possíveis reclamações. “Uma vaga de emprego de verdade nunca cobra por nenhuma preparação ou entrada na empresa, até porque isso é ilegal”, detalha Silvester.

Rosana Daniele Marques, gerente de Gestão de Pessoas da Crowe Horwath, explica que os aproveitadores usam a fragilidade emocional das vítimas. “Os golpistas acabam fazendo um jogo emocional, pois a pessoa normalmente está fragilizada, já enviou muitos currículos e está preocupada com as contas a pagar”, destaca.

Mais chances

Para enfrentar a busca por trabalho, Rosana diz que é importante identificar os próprios sentimentos e fazer um plano detalhado. “O candidato pode traçar caminhos, mapear os sites de busca de emprego e esquematizar as atividades cotidianas. O planejamento ajuda a manter o foco e a afastar o desânimo”, esclarece.

Segundo ela, se a pessoa não está conseguindo o emprego que gostaria, ela pode pensar em alternativas que ajudem a chegar à meta desejada. “Alguns trabalhos funcionam como pontes. Eles ajudam a pessoa a sair do zero, pagar as contas, movimentar a rede de relacionamentos e fortalecer a autoestima”, afirma.

Fellipe Silvester acrescenta que a proatividade e a atualização constante também são diferenciais para a recolocação no mercado. “O profissional precisa se atualizar e aprimorar suas habilidades para concorrer às vagas que deseja. Ele também deve ter iniciativa, ir atrás do que deseja, entrar em contato com empresas alinhadas a seus valores e mostrar a elas que tem vontade de contribuir”, ensina.

O especialista ainda destaca a importância de manter o bom relacionamento com outras pessoas. “Tenha bons contatos e gere conexões verdadeiras, pois são elas que vão levar você a um próximo nível”, finaliza.

Vida financeira

Quer aprender a enfrentar as dificuldades do mercado de trabalho e se tornar uma pessoa vencedora? Então, não perca o Congresso Para o Sucesso, que acontece às segundas-feiras, no Templo de Salomão. Para encontrar uma Universal mais próxima de você, acesse www.universal.org/enderecos.

Caso queira adquirir o livro “50 Tons Para o Sucesso”, que contém dicas para a vida profissional e financeira, acesse o Arca Center, clicando aqui.


  • Por Rê Campbell/ Fotos: Fotolia e Divulgação  


reportar erro