Rede aleluia
Vítima de mentiras dentro da própria igreja
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 24 de Outubro de 2021 - 00:05


Vítima de mentiras dentro da própria igreja

A religião de Regina a proibia de ter qualquer contato com a Universal. Saiba como ela se libertou

Vítima de mentiras dentro da própria igreja

Regina África é técnica de segurança do trabalho, tem 53 anos e frequenta a Universal. Quando jovem, porém, ela era proibida de fazê-lo. Ela ia a outra denominação e conta que os membros dela a proibiam de conversar com pessoas da Igreja Universal e diziam para que as pessoas não se misturassem a elas. “Eles diziam: ‘vocês não vão para o Céu se fizerem isso’.”

Ela diz que as mentiras contadas naquela denominação e as divulgadas por parte da mídia eram tantas que ela atravessava a rua só para não passar na calçada da Universal. Esses fatos a levaram a crer que na Universal seria feita uma lavagem cerebral nela e que seu dinherio seria roubado. “Eu sentia muita raiva quando via o Bispo Macedo na TV e o maldizia, apesar de não conhecê-lo.”

Dia da verdade
Além do preconceito, Regina carregava outros males: “minha vida estava destruída. Eu tinha uma vida financeira instável, era depressiva e tinha o desejo me matar diariamente. Eu carregava uma tristeza profunda. Somente quem sente isso sabe do que estou falando”.

A ajuda de que ela necessitava veio justamente de quem Regina odiava, quando ela conheceu a Folha Universal: “eu lia escondida de todos. Eu procurava uma resposta e estava tentando achar uma saída”. A leitura a levou a assistir à programação da Universal na TV e a ouvir o programa Palavra Amiga, com o Bispo  Macedo. Ela buscava a Deus por esses meios, mas ainda estava com medo de estar sofrendo a tal lavagem cerebral.

Ao ver Regina pegando o jornal do lixo, uma enfermeira a convidou para ir à Igreja. Regina aceitou, mas ainda tinha ressalvas: “nesse dia não levei minha bolsa e fiquei aguardando a hora que o pastor pediria meu dinheiro, mas não foi nada disso que aconteceu. Pelo contrário, fui muito bem recebida e naquela tarde Deus falou comigo”.

Na Universal ela aprendeu a amar, a perdoar e usar a fé para lutar ao lado de Deus. “Vi que Deus tinha um propósito para a minha vida. Eu vi que Deus estava comigo de fato e de verdade. Recebi a maior alegria: a certeza da minha Salvação. Se eu não tivesse quebrado o preconceito que eu tinha contra a Universal, não estaria viva até agora”, finaliza.


Vítima de mentiras dentro da própria igreja
  • Kaline Tascin / Foto: Reprodução 


reportar erro