Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 29 de abril de 2018 - 03:05


Vacinação contra a gripe vai até o dia 1º de junho

Meta é imunizar 54,4 milhões de brasileiros contra os três subtipos do vírus da gripe que circulam no País

Com a queda de temperaturas que começa a ocorrer nas próximas semanas em vários locais do Brasil, o risco de contrair gripe aumenta. Para evitar a doença, a melhor forma é se vacinar. Este ano, a campanha nacional de vacinação contra a gripe nos postos de saúde pública vai até o dia 1º de junho.

A meta do governo é imunizar 54,4 milhões de pessoas dos grupos prioritários, que são mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias. Segundo o Ministério da Saúde, a escolha desses grupos segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). Quem não faz parte do público-alvo da campanha pode buscar a vacina em clínicas privadas.

Casos

Neste ano, até 14 de abril, foram registrados 392 casos de influenza em todo o País, com 62 mortes. Desse total, 190 casos e 33 óbitos foram por H1N1; 93 casos e 15 óbitos relacionados ao vírus H3N2; 62 casos e 6 óbitos por influenza B; e os outros 47 casos e 8 óbitos por influenza A não subtipado.

Como funciona

A vacina protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circulam no Hemisfério Sul (influenza A/H1N1; influenza A/H3N2 e influenza B). Ela precisa de até 15 dias para garantir proteção. Por isso, é importante se vacinar antes do início do inverno.

A vacina é segura e diminui as complicações que podem gerar casos graves da doença, internações e até óbitos. Entretanto ela é contraindicada para pessoas com história de reação anafilática prévia em doses anteriores ou para pessoas que tenham alergia grave relacionada a ovo de galinha e seus derivados.

Gripe

Os sintomas da gripe são febre alta, dor de garganta, fraqueza, falta de apetite, coriza, irritação nos olhos e ouvidos, tosse, cansaço, dor de cabeça e dor muscular. O tratamento inclui repouso e ingestão de bastante água. Medicamentos podem ser usados para combater a febre e dores de cabeça e musculares. Em alguns casos, o médico pode receitar um antiviral.

Transmissão

A gripe é transmitida por meio do contato direto com saliva e muco de pessoas gripadas, da inalação das gotículas que ficam no ar quando pessoas gripadas tossem ou espirram e do contato com superfícies que receberam gotículas ou muco, como maçanetas, mesas e talheres.

Fake news

O Ministério da Saúde informa que não existe uma cepa “H2N3” de vírus da influenza no Brasil. O boato está circulando em um áudio nas redes sociais e aplicativos de smartphones. Vale lembrar que a vacina protege contra os três tipos de vírus influenza que atualmente circulam no Brasil. Vacine-se.


  • Por Rê Campbell/ Foto: Fotolia/ Ilustração: Edi Edson  


reportar erro