Rede aleluia
Universal em Angola: o que podemos fazer?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 10 de julho de 2020 - 12:51


Universal em Angola: o que podemos fazer?

Confira uma mensagem especial do Bispo Renato Cardoso sobre o tema

Universal em Angola: o que podemos fazer?

A Universal em Angola, país localizado no sul da África, enfrentou a rebeldia, a violência e a injustiça de ex-pastores da Igreja.

Desligados por má conduta, eles invadiram agressivamente vários templos da Universal, no dia 22 de junho, aterrorizando os pastores e suas famílias.

A situação ganhou proporções gigantescas na mídia e as autoridades locais manifestaram sua indignação contra o ato, de acordo com o embaixador brasileiro em Angola, Paulino Carvalho.

“Eu ouvi das próprias altas autoridades angolanas, com quem eu tenho conversado. Elas têm dito, com todas as letras, que se trata de algo inaceitável, criminoso e que tem de ser punido”, disse em entrevista ao jornalista Arnaldo Duran, durante o programa “Entrelinhas”, exibido no dia 5 de julho.

O que as pessoas podem fazer?

Diante deste cenário, como a população angolana deve agir? O Bispo Renato Cardoso, orienta que, em primeiro lugar, deve-se cobrar as autoridades, exigindo que a lei se cumpra e a justiça seja feita.

“Você tem o direito de cobrar que a sua fé seja respeitada. Faça sua voz ser ouvida. Os poucos dissidentes são barulhentos e, muitas vezes, o mal prevalece porque os justos se calam”, orienta.

Além disso, devemos usar o poder da fé (com jejuns e orações) pela Igreja em Angola.

Veja mais orientações no vídeo abaixo:


Universal em Angola: o que podemos fazer?
  • Rafaella Rizzo / Fotos: Reprodução 


reportar erro