Rede aleluia

Notícias | 23 de dezembro de 2018 - 00:05


Uma tentativa de sequestro, um disparo e o milagre

Saiba como André de Melo superou a estimativa médica de 1% de chance de sobreviver

A noite de 27 de novembro de 2017 parecia apenas mais uma de final de expediente para o comerciante André Rufino de Melo, de 38 anos. Ele se preparava para encerrar as atividades de sua loja quando foi surpreendido por dois homens armados que anunciaram um sequestro.
Dominado pelos criminosos e com medo de ser levado, André reagiu e tentou tirar a arma de um deles. Com isso, foi atingido com um tiro na barriga, à queima-roupa (próximo à pessoa).
Depois do disparo, os bandidos tentaram fugir do estabelecimento, mas foram capturados por policiais e transeuntes. Um deles foi detido e o outro foi morto.
O comerciante foi levado ao hospital. De acordo com as avaliações médicas, seu estado de saúde era delicado. A bala havia perfurado a barriga e, durante uma cirurgia, foi retirada pelas costas.
Por causa do impacto do projétil, alguns órgãos de André foram parcialmente afetados, como um dos pulmões e o estômago, e outros totalmente perdidos, como o fígado e um dos rins.
A esposa de André e também comerciante Eliene Lima de Souza Melo, de 37 anos, aguardava o marido em casa quando recebeu a notícia de que ele havia sido levado ao hospital após ser ferido durante uma tentativa de sequestro.
Ela se recorda que, ao chegar ao ambulatório, viu que o aspecto dele era igual ao de uma pessoa morta. Apesar disso, ela se manteve calma. “Ele parecia morto. Uma das médicas que participaram da cirurgia disse que ele tinha apenas 1% de chance de sobreviver. Foi a primeira notícia que ouvi”, afirma Eliene.

Uso da fé nos momentos de dor

Foi com essa estimativa desesperançosa que Eliene decidiu usar a fé em favor da vida de seu marido. Ela já frequentava a Universal e, por isso, havia presenciado milagres e curas de muitas pessoas por meio da fé em Deus. Então, creu que André também contaria no futuro seu testemunho de vida.
O estado do comerciante exigia constantes cuidados. No hospital, ele ficou na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e as visitas duravam apenas 15 minutos.
O pouco tempo que Eliene podia ficar com o marido era suficiente para que ela colocasse em prática a fé que aprendeu ao frequentar a Universal. Aos domingos, ela apresentava uma garrafa com água para Deus, determinando em oração que ele fosse curado quando aquele líquido entrasse em contato com o corpo dele.
“Como ele estava entubado e não podia beber a água, eu a passava na cabeça, nas pernas e nas mãos dele. Fiz isso em todas as minhas visitas durante uma semana. Mesmo que a situação fosse difícil aos olhos humanos, eu tive paz e confiei em Deus”, alega.

O milagre

De acordo com os médicos, não havia previsão para que André saísse da UTI. Porém, surpreendentemente, após uma semana recebendo a unção com a água consagrada por meio de sua esposa, ele apresentou melhoras e foi transferido para o quarto em que permaneciam os pacientes que estavam fora de risco.
“Os médicos ficaram surpresos com a rápida recuperação dele e com o fato dele não ter ficado com sequelas depois dos estragos feitos pelo tiro. Hoje, ele vive normalmente e tão bem de saúde quanto antes”, diz Eliene.
A comerciante se recorda que ela não deixou de frequentar a Universal durante os dias em que o marido esteve internado e que antes mesmo dele sair da UTI ela já agradecia a Deus pela recuperação e pelo milagre. André ficou menos de 20 dias no hospital. Quando saiu de lá, não precisou tomar nenhuma medicação.
“Eu confiei a Deus a vida dele e tive certeza que venceríamos aquela situação. Por isso, não me desesperei. Minha fé e confiança em Deus foram renovadas mesmo nos momentos de dor”, completa Eliene.
Para André, que também já frequentava a Universal antes desse epísódio, a tentativa de sequestro aconteceu com permissão de Deus para que a fé do casal fosse despertada. Ele afirma que, a partir daí, passou a dar mais importância ao uso da fé e, por isso, permanece fazendo o tratamento com a água consagrada.
“Creio que minha vida é um milagre de Deus. As minhas chances de viver eram mínimas. Hoje eu falo para as pessoas da importância de usar a fé em Deus e sigo fazendo o tratamento com a água consagrada. Ela é como um remédio para as dores físicas e emocionais. Basta a pessoa usar com fé que o milagre acontece”, finaliza André.


  • Kelly Lopes / Fotos: Reprodução / Cedidas 


reportar erro