Rede aleluia
“Uma mulher insegura casada com um homem violento é uma bomba-relógio”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de Janeiro de 2023 - 00:05


“Uma mulher insegura casada com um homem violento é uma bomba-relógio”

O casal aprendeu a lidar com as diferenças e a buscar o Espírito Santo na Universal

“Uma mulher insegura casada com um homem violento é uma bomba-relógio”

A falta de atenção, as falhas de comunicação e as incertezas quanto ao futuro eram motivos recorrentes para as brigas entre o assistente de faturamento Romualdo Aparecido de Souza, de 38 anos, e sua esposa, Samara Galli de Souza, de 48, que é vendedora. O casal mora na capital paulista e está junto desde 2014. “Nos conhecemos por meio de um tio do meu marido que morava em Mauá (SP) e três meses depois já estávamos morando juntos. Tínhamos todos os problemas possíveis e divergências de gosto”, diz Samara.

Apesar de estarem apaixonados, eles não se conheciam o suficiente quando resolveram morar juntos. “Ela é extremamente caseira e eu não sou ‘baladeiro’, mas gosto de sair, de conversar”, conta Romualdo. “Para mim, a maior dificuldade era porque eu tinha a minha casa, as minhas coisas, a minha vida em torno de mim mesma e tive que aprender a compartilhar o meu espaço”, afirma Samara.

Romualdo também usava as redes sociais de forma exacerbada e tinha uma personalidade complicada. “Eu era uma pessoa muito violenta, agressiva e a Samara era muito insegura. Uma mulher insegura casada com um homem violento é uma bombarelógio. Nunca encostei nela, mas lembro que durante uma briga nossa eu joguei um ventilador no chão e pulava em cima dele para poder extravasar a raiva”, detalha ele.

Com tantos conflitos e diferenças, o casal teve diversas idas e vindas. “Quando eu fui embora para a casa dos meus pais no Paraná, a Samara ganhou o livro Casamento Blindado. Por conta dela ter lido e mudado, pediu que eu lesse também. Como eu era muito manipulador, criei uma situação para que ela perdesse a razão e brigasse comigo. Mas, baseada no livro, ela me desarmou”, conta. “Ele planejou colocar um fim no relacionamento sem parecer o culpado, mas, depois disso, resolveu ler o livro”, lembra Samara.

Ele só descobriu que a obra era escrita pelo Bispo Renato Cardoso e por Cristiane Cardoso ao final da leitura. “Eu era daqueles que não podiam ouvir falar na Universal. A cada página que eu lia, eu tomava uma pancada, porque eu pensava também nos erros que cometi em meus relacionamentos anteriores. Depois disso, eu decidi: ‘vou na fonte, lá onde as palestras acontecem’ e convidei a Samara para irmos juntos às reuniões em São Paulo.”

Depois de algum tempo e diante das mudanças gradativas, os dois resolveram oficializar a união aos olhos de Deus e se casaram, no Templo de Salomão, em 31 de maio de 2018. “Passamos por muitas palestras da Terapia do Amor, fomos nos adaptando e nos disciplinando a sermos diferentes”, diz Romualdo. “É preciso obedecer à Vontade de Deus, porque a vitória é certa. Aos olhos humanos, nosso relacionamento era impossível.

Hoje as pessoas nos enxergam como referência de casal abençoado: somos dois em um”, conclui Samara.


“Uma mulher insegura casada com um homem violento é uma bomba-relógio”
  • Eduardo Prestes / Fotos: Arquivo pessoal e Demetrio Koch 


reportar erro