Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 10 de dezembro de 2019 - 13:00


Um em cada quatro jovens é viciado no smartphone

Estudo britânico chegou ao resultado. Saiba como vencer a dependência

Faz tempo que a imagem de uma pessoa viciada deixou de ser a de alguém maltrapilha, pobre e dependente químico. Atualmente, inclusive pessoas bem-sucedidas, inteligentes e de qualquer idade ou classe social se encontram nessa situação. E não, necessariamente, usam tóxicos.

No caso destes, o vício pode ser a internet, os jogos ou o smartphone. Pesquisadores do King’s College, em Londres, descobriram que 1 em cada 4 jovens está viciado em celular. Eles ficam ‘em pânico’ ou ‘chateados’ se lhes for negado acesso constante ao aparelho.

De acordo com o estudo, os jovens também não conseguem controlar a quantidade de tempo que passam diante dos smartphones, ao ponto de prejudicar a realização de outras atividades.

Quando o vício prejudica a família

Apesar de a pesquisa focar na adição no aparelho em jovens, adultos também sofrem com este mal. Inclusive, muitos casamentos são prejudicados por ele. Além disso, os pais podem influenciar os filhos desde cedo nesse hábito.

“Se a criança cresce vendo os pais com o rosto enfiado no celular, ela vai achar que esse comportamento é normal. Anormal, para ela, será não fazer isso”, diz o apresentador Renato Cardoso.

Outro perigo para os mais incautos, é a tentativa de suprir a carência por meio da tecnologia. O que gera outros problemas.

“Elas suprem a necessidade de atenção, carinho, elogios através do celular e a buscam nas redes sociais da forma errada. Por exemplo, não é raro ver crianças e adolescentes trocando nudes”, acrescenta a escritora e apresentadora, Cristiane Cardoso.

Cura dos Vícios

Da mesma forma como as drogas destroem a pessoa e a família, assim é com o vício em tecnologia. Aliás, até comida pode ser uma dependência e trazer prejuízos, caso não haja controle.

Por isso é que a Universal criou a reunião da “Cura dos Vícios”, em que se combate o mal que aprisiona as pessoas em qualquer tipo de dependência. Ela acontece todos os domingos, em todas as capitais brasileiras. Clique aqui para saber os endereços.


  • Rafaella Rizzo / Fotos: Getty Images 


reportar erro