Rede aleluia

Notícias | 1 de junho de 2019 - 22:48


Troca das Bandeiras: a cerimônia que ficará na lembrança de todos

A solenidade contou com mais de 20 mil pessoas e com a presença de Cônsules e Embaixadores de 27 países. Saiba mais

O sábado, 1° de junho, em São Paulo, amanheceu chuvoso. Mesmo assim, mais de 20 mil pessoas estiveram presentes na Solenidade de Troca das Bandeiras, noTemplo de Salomão.  

Além das milhares de pessoas, representantes diplomáticos também prestigiaram o evento, totalizando 27 nações. Sendo elas: Rússia, República Dominicana, Albânia, Benim, Armênia, Senegal, Chile, Nigéria, Namíbia, Austrália, Emirados Árabes, Moçambique, Ucrânia, Espanha, Guiné-Bissau, Estados Unidos, Uruguai, Cabo Verde, Angola, Chipre, Turquia, México, Bolívia, Equador, Tanzânia, Quênia e Haiti.

O Bispo Edir Macedo esteve presente e fez uma oração endereçada aos países.

Ao som do Hino Nacional, interpretado pelo Coral do Templo de Salomão, os presentes acompanharam o hasteamento de 127 bandeiras, representando as nações onde a Universal realiza o trabalho evangelístico, mais a bandeira da Universal.

As bandeiras estão expostas no Templo de Salomão, há cinco anos, desde a inauguração oficial do espaço. Sendo que, a cada novo país onde a Universal inicia seu trabalho missionário, uma nova bandeira é hasteada. Desde a inauguração do Templo de Salomão, a Universal alcançou 14 novas nações, consequentemente, 14 novas bandeiras foram hasteadas.

Durante a cerimônia, o Bispo Renato Cardoso esclareceu que cada mastro representa  a missão que o Senhor Jesus deixou ao ordenar que seus discípulos fossem por todo mundo para pregar o Evangelho (Marcos 16:15).

“A palavra Evangelho quer dizer boas notícias, ou seja, aonde chega o Evangelho verdadeiro, a nação é abençoada, assim como foi prometido ao nosso pai na fé, Abraão, que através da fé que foi revelada a ele, todas as famílias da terra seriam abençoadas (Gênesis 12:3)”, pontuou o Bispo.

Em mais de 120 países, há pastores com suas respectivas esposas, membros e voluntários que se dedicam a levar o Evangelho, servindo a Deus e às pessoas. De acordo com o Bispo Renato, esse é o segredo para o crescimento da Universal: “O Senhor Jesus disse ‘dai e ser-vos-á dado’ (Lucas: 6:38). Parece tão simples, mas vai contra a natureza humana. Esse tem sido o trabalho da Universal todos os dias. Recebemos de graça e estamos sempre dando às pessoas, e assim o trabalho da Universal vai crescendo”.

O trabalho missionário

Prestes a completar 42 anos, a Universal possui, hoje, mais de 7 milhões de fiéis no Brasil e quase 3 milhões espalhados pelo mundo. A embaixadora do Senegal, país da África Ocidental, Fatoumata Correa, destacou a importância do trabalho social desenvolvido pela Universal em seu país.

“O Senegal não é um país muito desenvolvido. Temos uma grande parcela da população que precisa de ajuda. Sabemos que o governo não pode fazer tudo ao mesmo tempo, então, receber ajuda social da Igreja Universal é muito importante”, destacou a embaixadora, que ainda fez questão de mencionar os trabalhos realizados com jovens e mulheres.

“O trabalho da Universal no Senegal é muito importante para ajudar na educação de mulheres e jovens. Isso nos ajuda nas atividades do dia a dia”, pontuou.

Da mesma forma, o Cônsul da Namíbia, Sergio Ricardo Rosset, fez questão de registrar seu apreço pelo trabalho desenvolvido na Namíbia. A exemplo das doações que são feitas, mensalmente, nas escolas da capital do país, Windhoek.

Cerca de 80 voluntários da Universal visitam os colégios. Além de doar os alimentos, eles os preparam e servem aos estudantes, no café da manhã (foto abaixo)

“O trabalho que a Igreja Universal tem feito na Namíbia é um trabalho de altíssimo nível’, comentou o cônsul.

Além disso, visivelmente encantado com o Templo em sua primeira visita, ele garante que ainda voltará para conhecer as demais áreas. “É um prazer estar aqui. Eu gostaria de voltar para conhecer o Templo por dentro”, disse.

Fé e gratidão

O casal de membros, Maria Cristina Toledo Prando, de 63 anos e Aristeu Luis Prando, de 65, (foto ao lado) já teve a experiência de conferir de perto o trabalho da Universal em outros países. “A gente viaja muito. E onde nós vamos encontramos uma Universal. É a mesma fé. É maravilhoso, só muda o idioma”, lembrou Maria.

Eles, que estão na Universal há mais de 20 anos, já visitaram a igreja da Argentina, Paraguai e Uruguai e fizeram questão de sair de Bragança Paulista, no interior de São Paulo, para prestigiar a Solenidade de Troca das Bandeiras.

“Vimos o Bispo convidando pela televisão e decidimos vir. É maravilhoso e muito gratificante estar aqui. Depois que chegamos na Universal, a gente conheceu a verdadeira Palavra de Deus. Então, valeu a pena o esforço de sair da nossa cidade para esse momento especial”, reiterou ela.

O sentimento de gratidão também era verdadeiro para a estudante Liliane Pereira Faustino, de 19 anos (foto ao lado). Há um ano, Liliane estava presa às drogas e a outros dilemas da alma. “Eu não tinha paz, não era feliz e não tinha valor algum”, lembra.

Após um convite, Liliane aceitou dar uma chance à fé que mudou sua vida e resolveu se entregar ao Senhor Jesus. Hoje, após um ano, fazer parte da cerimônia foi gratificante. “Por causa de tudo que a Universal já fez por mim e de onde eu fui tirada, por meio do trabalho evangelístico. Então, para mim, é maravilhoso e eu sou muito grata”, celebrou Liliane.

A entrega

Antes de encerrar o encontro, Bispo Renato Cardoso fez questão de explicar a todos o real sentido da entrega a Deus, algo que não pode ser feito apenas com palavras. Mas é necessário que o ser humano coloque o Senhor Jesus acima de todas as coisas.

“Ele tem que ser o mais importante, senão, não há como você ser salvo”, concluiu o Bispo.

Após a Palavra, todos os presentes tiveram a oportunidade de entregar suas vidas ao Senhor Jesus, durante uma oração especial.

Assista à cerimônia na íntegra: 

 

Veja a matéria:

Confira mais fotos do evento:


  • Rafaela Dias / Fotos: Demetrio Koch 


reportar erro