Rede aleluia
Três em cada quatro brasileiros têm dívidas
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de Janeiro de 2022 - 00:05


Três em cada quatro brasileiros têm dívidas

Como resolver essas pendências e ainda pagar as contas que estão chegando?

Três em cada quatro brasileiros têm dívidas

O ano de 2021 não foi bom financeiramente para muitos brasileiros. Três em cada quatro se endividaram, totalizando 74,6% da população, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Com base nesse levantamento divulgado em setembro do ano passado, a CNC estima que cerca de 12,2 milhões de famílias possuem dívidas a vencer no cheque especial, cartão de crédito, prestações de carro e de casa, cheque pré-datado, carnê de loja, crédito consignado e empréstimo pessoal.

Como se não bastassem essas pendências acumuladas, também durante a pandemia, uma boa parcela da população ainda terá que lidar com as contas que já começam a chegar neste início de ano: a mensalidade da escola dos filhos, uniformes, livros e outros materiais escolares que não são baratos. Somam-se a eles também impostos como IPTU e IPVA. Como pagar tudo isso?

O psicoterapeuta financeiro Pedro Braggio afirma que o primeiro passo é entender quais fatores, além da pandemia, podem ter levado às dívidas. “Um deles é a falta de educação financeira. O brasileiro não teve educação financeira na escola, não sabe lidar com os aspectos econômicos de sua vida e essa desinformação econômica influencia até no ambiente familiar. Muitas vezes, o filho de um casal pede um brinquedo e os pais não conseguem dizer não à criança. Isso, de alguma forma, impacta no orçamento da família também.”

Outro problema é que as pessoas não conhecem o seu orçamento real: “elas não costumam olhar o extrato bancário rotineiramente ou usam de forma errada o cheque especial ou o cartão de crédito, modalidades que costumam dar a ilusão de que tudo é possível. Contudo os limites do cartão e do cheque especial não são os limites econômicos reais. Essas duas ferramentas não deveriam ser usadas nem em emergências”, avisa.

Primeiro passo
O ideal é aproveitar o início do ano e fazer um planejamento financeiro. “Isso vale para quem está empregado ou não. Tenha calma para visualizar quais são as receitas e as despesas. O ideal é reunir a esposa e os filhos, colocar no papel a média dos ganhos e dos gastos nos últimos três meses e verificar o saldo. Também é preciso abrir os armários e roupeiros e ver tudo o que você possui para não gastar repetidamente. Não é hora de comprar por impulso. Você pode ter várias coisas guardadas, não saber e estar pensando em comprá-las porque não se lembra delas”, diz Braggio.

O passo seguinte é checar o que pode ser renegociado e quais são as prioridades de pagamento. “O importante, neste momento, é manter o credor informado da sua situação e do seu interesse de pagar suas dívidas, mesmo que isso não possa ser feito imediatamente. Muitos bancos têm congelado dívidas, mas é preciso ficar atento aos juros que vão incidir sobre os pagamentos quando você voltar a realizá-los”, alerta.

Braggio diz que o ideal é que cada família tenha o que ele chama de colchão financeiro: “uma reserva financeira para lidar com as adversidades econômicas, uma quantia que juntou com os ganhos exatamente para passar por períodos de dificuldade econômica ou para a realização de um sonho. Lembre-se que a sua condição financeira não deve ser vista como algo que afete a sua autoestima. É preciso sempre tentar entender o que está acontecendo nesse campo e tentar melhorar. Liste e organize suas finanças. Pode levar tempo, mas você consegue”, observa.


Três em cada quatro brasileiros têm dívidas
  • Eduardo Prestes / Foto: Getty images  


reportar erro