Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 7 de outubro de 2018 - 00:05


Sul-africanos aprendem sobre o amor inteligente

Veja como um livro sobre relacionamento mudou a história de uma família

Na atualidade, um dos principais desafios da vida amorosa é a prevenção contra o divórcio, que assombra cada novo casamento celebrado no Brasil e também ao redor de todo o mundo.
A ausência de diálogo, a visão de mundo diferente, a falta de bom humor no relacionamento e os objetivos de vida diferentes são alguns dos fatores que contribuem para o fim da união conjugal, aponta a psicóloga Fátima Rizzo. “O casal para de agir como equipe e o individualismo toma conta. Um para de se interessar pelas coisas do outro, eles não riem mais juntos, cessa a comunicação, as discussões e brigas se tornam constantes e o sexo ‘se esfria’. Ao final, o casamento está totalmente comprometido”, esclarece.
Fátima ainda acrescenta que caso o divórcio se torne possível é preciso agir imediatamente. E o primeiro passo é ter um diálogo franco e sincero com o cônjuge. Procurar ajuda profissional também pode ser um caminho.

Uma agradável surpresa
A ajuda veio de uma forma inesperada para a sul-africana Alice Shimabwachi. Em março deste ano, ela e seu companheiro, Jimmy Shimabwachi, terminaram uma união de 10 anos.
Sem saber o que se passava, a filha do casal, Zahara, pediu para que a mãe comprasse um vestido de noiva na The Wedding Expo (exposição de casamento, em português), que acontecia em Johannesburgo, na África do Sul, e oficializasse a união com o pai – que, naquele período, havia retornado ao seu país de origem, Zâmbia, e deixado a família.
Zahara participou de um sorteio realizado pelos promotores do livro Bulletproof Marriege (Casamento Blindado, em português, de autoria de Renato e Cristiane Cardoso), que daria como prêmio um vestido de noiva durante a feira e ganhou. “Eu sinceramente acreditava que Deus estava me testando, pois como eu poderia ganhar um vestido de casamento depois do nosso relacionamento ter terminado?”, indagou-se Alice, que chegou a pensar na hipótese de rejeitar o prêmio.
Entretanto ela não contava que o seu companheiro retornaria arrependido e que queria se reconciliar justamente depois de ter lido um exemplar do livro Bulletproof Marriege. “Notei uma grande mudança nele e no nosso relacionamento. Ele mencionou que aquele era o momento certo para se casar e que Deus estava falando com ele. Só então eu disse a ele que ganhamos um vestido de noiva na exposição.” A partir daí, o casal, que oficializou a união, garante que a família vive uma nova fase.
O evento
No fim de setembro, a equipe que divulga o livro Bulletproof Marriege esteve presente novamente no evento. Esse grupo é composto por casais que se beneficiaram do conteúdo do livro e que, agora, desejam auxiliar outras pessoas.
“Ao receberem um aconselhamento pré-nupcial, vemos que a visão das pessoas se abre e isso é muito gratificante”, observa Marcia Pires, coordenadora da equipe promotora do livro.


  • Daniel Cruz / Fotos: Cedidas  


reportar erro