Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 23 de agosto de 2018 - 00:05


“Somos a família que elas não têm”

Veja ação realizada pelo UNP em presídio feminino no Uruguai

Um dos motivos pelos quais o simples o fato de um criminoso (a) estar preso não o recupera, é que a maioria não tem atividades produtivas enquanto cumprem suas penas. E, com a cabeça vazia e ociosa, há muito tempo para os pensamentos ruins se multiplicarem.
Por isso o trabalho do Universal nos Presídios (UNP) se faz tão necessário para plantar a semente da Palavra de Deus. Recentemente, foi a vez das detentas do Instituto Nacional para Reabilitação, em Montevidéu, no Uruguai, receberem a visita das voluntárias do projeto, que ofereceram uma tarde de trabalhos manuais, união e fé.
As 95 presidiárias decoraram cadernos com EVA (placas emborrachadas) para estimular a criatividade e o trabalho em equipe. “Nós fizemos o que as autoridades consideram impossível: manter todas elas reunidas por 2 horas sem ter nenhum problema. Uma ajudou a outra, tiveram uma boa convivência, conseguimos alcançar um ótimo resultado. Isso se chama ressocialização”, disse a responsável pela ação Suzana Rubio.
 

Após a atividade, elas receberam orações e participaram de um café da tarde. Tudo arrancou sorrisos de gratidão das presidiárias. “Muitas delas são desprezadas pelos familiares por seus delitos, ficando muito carentes, então quando chegamos a alegria delas é muito grande. Somos a família que elas não têm”, acrescentou.
Além de ações como estas, o grupo faz duas visitas por semana a todas as alas da cadeia, inclusive nos pisos de segurança máxima, solitárias e preventivas, levando doações de diversos tipos. “Olhando com os olhos humanos, quem vai ajudar alguém que matou, roubou, traficou? Somente com os olhos espirituais essa obra se torna possível”, conclui Suzana.
Para ficar por dentro de todas as ações do projeto Universal nos Presídios acesse página oficial no Facebook.


  • Rafaella Rizzo / Fotos: Cedidas 


reportar erro