Rede aleluia
Síndrome do pânico: o terror tem solução
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 13 de Maio de 2022 - 14:49


Síndrome do pânico: o terror tem solução

Veja a história de Letícia que encontrou na fé a solução para o problema

Síndrome do pânico: o terror tem solução

Medo constante (sem motivo aparente), sensação de morte, angústia, tremores, taquicardia, suor intenso. Se você tem esses sintomas, pode estar vivendo uma crise de síndrome do pânico.

Esse estado mental de ansiedade aguda está muito presente na sociedade e afeta mais mulheres do que homens. É o que mostra uma pesquisa da National Comorbidity Survey (NCS), dos EUA. Pelo estudo, 71% das pessoas com síndrome do pânico são mulheres e apenas 29% homens.

A história de Letícia:

Letícia era parte dessa estatística. Na juventude, começou a apresentar sintomas de síndrome do pânico e, além disso, depressão.

“Eu não tinha forças para nada, nem vontade de trabalhar, só me sentia segura dentro do meu quarto. Além disso, no domingo eu tinha crises só de pensar que a semana ia começar e eu teria de sair para trabalhar e ir para a faculdade”, conta.

Consequências:

Por conta das crises, seu rendimento escolar caiu muito e ela também acabou perdendo o emprego. Ela até procurou ajuda médica, mas continuou sem solução.

“O remédio me dopava e, se eu não o tomava, me sentia muito mal. A angústia e o desespero eram tão grandes que eu cheguei a agredir a minha mãe na ausência do remédio”, fala.

Ela também buscou ajuda nos espíritos, o que também não ajudou. “A situação piorou, pois eu passei a ver vultos e não conseguia dormir. Foram noites de terror”, lembra.

Ponto de decisão:

Ela chegou à Universal por meio do convite de um namorado. Estava desconfiada, tinha preconceitos em relação à igreja, mas precisava de ajuda.

“Aquela palavra me alimentou e mostrou para mim que eu poderia ser curada, ter outra vida. Continuei frequentando, e Deus foi me libertando da dependência dos remédios. Eu não tinha mais necessidade daquilo”, afirma.

O que fazer:

Veja no vídeo abaixo o depoimento completo de Letícia:

Além disso, vá nesta sexta-feira à Universal mais próxima de sua casa para receber a cura de qualquer transtorno mental ou emocional.

Você também pode ir ao Templo de Salomão. Os horários são 7h, 10h, 12h, 15h e 20h.


Síndrome do pânico: o terror tem solução
  • Rafaella Rizzo / Fotos: iStock - Reprodução 


reportar erro