Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 18 de julho de 2018 - 03:00


Sarampo e poliomielite: surtos, mortes e falta de vacinação preocupam

Dados mostram novos casos pelo país. Saiba como se prevenir

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que o sarampo provocou a morte de cerca de 90 mil crianças em 2016.

Neste ano, dois anos depois, houve mais dois surtos no país: em Roraima, com 200 casos confirmados e 2 mortes; e no Amazonas, com 263 ocorrências. Além desses estados, o vírus também foi identificado no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul. Com isso, aumenta também o alerta sobre a necessidade de se precaver.

Vírus altamente perigoso

O vírus do sarampo é considerado altamente contagioso e, assim como a gripe, o seu primeiro sintoma é a febre alta. E não apenas isso, após dois ou três dias do início, manchas vermelhas começam a aparecer pelo corpo.

Diante do perigo, a melhor forma de se proteger da doença é se imunizando. A vacina, que é gratuita na rede pública do governo, tem a eficácia de 97%. No entanto, nem todos podem se prevenir. Grávidas e pessoas com o sistema imune comprometido não podem receber a dose.

Poliomielite: outro risco eminente

Ao menos 312 cidades do país podem voltar a ter ocorrências de poliomielite, conhecida como paralisia infantil, frequente em crianças com menos de 4 anos de idade. Essa preocupação e o alerta partiram do próprio Ministério da Saúde, que observou que a cobertura vacinal está muito abaixo do esperado: menos de 50%.

Em um comunicado divulgado à imprensa, a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI), Carla Domingues, declarou que a única forma de prevenção da poliomielite e de outras doenças que não circulam mais no País, é por meio da vacinação. E, ressaltou ainda: “o risco existe para todos os municípios com cobertura abaixo de 95%.”

A transmissão da pólio, como mais conhecida, pode acontecer de diversas formas, por exemplo, água e objetos contaminados, gotículas de saliva – como por um espirro, entre outras. Os primeiros sintomas da doença são considerados comuns, como febre, dor de garganta, náusea, vômito, constipação e dor abdominal.

Todas as crianças precisam ser vacinadas. As primeiras doses são dadas aos 2, 4 e 6 meses de vida de um bebê. O primeiro reforço acontece com 1 ano e 3 meses e o segundo, entre 4 e 5 anos.

Fique atento: de 6 a 31 de agosto próximo acontecerá a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite. Não deixe de vacinar o seu filho. A prevenção ainda é o melhor caminho.


  • Da Redação / Foto: iStock 


reportar erro