Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 16 de outubro de 2019 - 13:25


Rejeitada, jovem sofreu muito antes de conhecer a fé

A mãe chegou a dizer que se arrependia de não a ter abortado. Conheça a história de Sthefany Rodrigues no vídeo abaixo

Um lar em conflito era o que Sthefany Rodrigues, de 23 anos, vivia. O alcoolismo do pai e o nervosismo da mãe fizeram com que os pais se divorciassem quando ela era ainda uma criança.

Logo, a menina viveria outros conflitos. E, como meio de se defender do bullying, passou a se envolver com amizades ligadas ao tráfico de drogas.

Consequentemente, a convivência com a mãe tornou-se cada vez mais insuportável. Nas discussões, ela dizia que sentia ódio e nojo da mãe. Como reação, sua mãe a agredia. “Ela falava que preferia que tivesse me abortado, que eu não fosse filha dela, pois eu causava um desgosto muito grande com o meu comportamento”, recorda a jovem.

Sthefany se viu tão envolvida com aquelas amizades que passou a cometer alguns delitos.

A mudança

Mesmo vivendo uma vida completamente desregrada, com o tempo, ela passou a ver uma mudança na mãe – que passou a frequentar a Universal. Foi, então, que, a pedido da mãe, uma obreira convidou Sthefany para participar de uma reunião na igreja.

Saiba o que aconteceu com ela a partir desse momento, assistindo o vídeo abaixo:

Guiando a toda verdade

O que Sthefany passou a viver foi uma promessa dada pelo próprio Senhor Jesus: de que seríamos guiados a toda Verdade quando fôssemos batizados com o Seu Santo Espírito (João 16.13).

Ela entendeu que precisava mudar, mesmo que ninguém a tenha constrangido para isso. Ela passou a buscar ser a imagem e semelhança do Senhor Jesus.

Isso é o que acontece com todos que recebem o Espírito Santo: a imagem de Deus passa a ser a da pessoa também. “Aquela imagem que Ele criou lá no Jardim do Éden volta para você. O Espírito Santo nos dá a imagem de Deus”, explica o Bispo Edir Macedo.

Se você também anseia por isso, participe dos encontros que acontecem no Templo de Salomão ou em uma Universal mais próxima de sua casa.

 


  • Núbia Onara / Foto: Reprodução 


reportar erro