Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 12 de dezembro de 2019 - 11:31


Quem piorou tanto a educação no país?

Brasil ocupa o 23º pior lugar em ranking mundial de ensino

O resultado do Pisa 2018 causou alarme em parte da população brasileira. Embora todos saibam que a Educação no Brasil é falha e tem muito a melhorar, poucos esperavam que o país ocupasse uma posição tão baixa no ranking mundial.

Entre os 79 países participantes da prova, o Brasil ocupa a 57ª posição em qualidade educacional. O exame foi aplicado em mais de 600 mil estudantes no início de 2018 e mede o conhecimento em Leitura, Matemática e Ciências.

De acordo com os resultados, apenas 2% dos estudantes brasileiros estão acima do nível adequado de leitura. Em Matemática, quase 70% dos estudantes estão no pior nível de proficiência. Em Ciências, 55% desconhecem fatos científicos básicos.

Esta foi a 7ª edição do Pisa em que o Brasil participou (sendo que na primeira, em 2000, o país mediu apenas no conhecimento em Leitura). Nestes 19 anos, praticamente não evoluímos.

Estagnados na História

Quando os resultados da prova de 2015 foram divulgados, o então ministro da Educação Mendonça Filho classificou a situação como “tragédia”. Agora, ao recebermos o resultado da prova de 2018, o ministro Abraham Weintraub volta a utilizar a palavra “tragédia”. Isso mostra que o Brasil está, de fato, preso na péssima qualidade de ensino.

Todavia, o país não está estagnado há apenas três anos. Já são sete provas aplicadas com praticamente nenhuma evolução, como mostra o gráfico abaixo:

educação

De acordo com Weintraub, essa estagnação é culpa do governo petista ocorrido entre 2003 e 2015:

“O Pisa foi feito no primeiro semestre de 2018. Portanto, não tem nada a ver com o governo Bolsonaro. Nem com o Temer”, afirmou. “A culpa dos resultados é do PT.”

Legado petista

De fato, a maioria da vida estudantil de quem realizou a prova aconteceu durante a gestão petista. O Partido dos Trabalhadores não cumpriu as metas estabelecidas durante o governo em relação à Educação. Entre os compromissos assumidos pelo Governo estavam a erradicação do analfabetismo até 2024 – o que não deve acontecer.

Ademais, os presidentes Lula e Dilma prometeram o aumento da valorização do professor. O que, certamente, não ocorreu.

Os antigos chefes de Estado também garantiram a ampliação no investimento em Educação. Investimento este congelado em 2016 pelo, então, presidente Temer.

Ainda que o Pisa meça conhecimentos adquiridos em escolas municipais e estaduais – não federais – é dever do Estado organizar e fornecer educação de qualidade para todos. E este é outro objetivo que não está sendo cumprido.

O Pisa provou que, no Brasil, poucos têm acesso ao ensino de qualidade. Enquanto a maioria recebe péssima educação.

Caso fossem levados em conta apenas os resultados das escolas particulares brasileiras, ocuparíamos a 5ª melhor posição no ranking geral, atrás apenas de PXJG*, Singapura, Macau** e Hong Kong **.

A diferença de pontuação entre estudantes de alta renda e estudantes de baixa renda foi de 97 pontos. Treze pontos a mais do que em 2009.

Isso comprova que o Brasil é um país desigual hoje, assim como será no futuro próximo. Afinal, somente a Educação é capaz de gerar crescimento individual e coletivo.

De olho no futuro

É necessário que o país saia da estagnação e volte a investir na Educação. Como já foi comprovado pelo economista vencedor do Nobel Theodore Schultz, a única maneira de aumentar a riqueza de uma nação – a curto, médio e longo prazo – é investindo em Educação.

O Governo Bolsonaro já realizou diversas mudanças no Ensino. Weintraub ainda prometeu mais vagas para creches e pré-escolas em 2020. Também afirmou que o Governo está “em reuniões para mudar esse cenário e começamos a aplicar isso no Brasil inteiro via internet. Estamos conectando as escolas públicas do país.

O próximo Pisa será aplicado em 2021, com resultados divulgados em 2022. Aí então saberemos se as diretrizes do novo governo foram eficazes.

* PXJG é a área formada por Pequim, Xangai, Jiangsu e Guangdong, na China, que foi avaliada separadamente devido situação política no país.

** Macau e Hong Kong são territórios autônomos localizados na China.


  • Andre Batista / Foto: Getty Images 


reportar erro