Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 13 de maio de 2018 - 03:05


Quanto vale um sorriso para você?

Estudo mostra que sorrir pode ajudar positivamente a mudar a vida das pessoas

Será que sorrir pode ajudar as pessoas nas situações adversas que a vida apresenta? Essa ação é realmente saudável para todos? Um estudo recente, realizado por professores de marketing da Universidade Kellogg, nos Estados Unidos, tentou responder a essas questões e concluiu que sorrir deixa realmente as pessoas mais felizes. Mas, segundo os especialistas, essa ação tem que ser verdadeira e sincera. Sorrir apenas para “inglês ver” não engana ninguém.

Acolhimento

Para a psicóloga Karin Cristina da Silva, de 49 anos, que atua na área clínica, sorrir tem, de fato, um efeito positivo sobre a vida das pessoas. “Ajuda-nos no combate às tensões, alivia o estresse e auxilia-nos a enfrentar situações de conflitos, que nos causam desgaste emocional. Na medida em que sorrimos para o outro, praticamos o acolhimento e, muitas vezes, a possibilidade de nos colocarmos no lugar de nossos pares, o que tem um efeito positivo”, avalia.

Quebra-gelos


A enfermeira veterinária Cintia Vieira, de 32 anos (foto acima), passou por situações em que sorrir fez muita diferença para ela. “Lembro-me que, na faculdade, durante a apresentação de seminários, quando estava todo mundo sério assistindo, sorrir ajudava a quebrar o gelo e fazia toda a diferença. É prazeroso estar em um ambiente em que há pessoas sorrindo, tratando-nos com educação e sendo simpáticas”, diz.

Verdadeiro

Mas, para a psicóloga Karin, o sorriso tem que ser realmente verdadeiro: “Um sorriso sincero ajuda a estreitar as relações sociais. Sorrir de forma espontânea é um comportamento que causa empatia e gera otimismo em nós mesmos e em quem nos cerca. Esses bons sentimentos são grandes aliados das pessoas sociáveis e facilitam as relações de amizade e confiança no trabalho e fora dele”, analisa.

Atitude de amor

A estudante de moda Priscila Silva dos Santos, de 21 anos, conta que já passou momentos de tristeza em que recebeu um sorriso de alguém e que de alguma forma essa ação a ajudou. “Na Igreja mesmo, quando cheguei, alguém sorriu para mim, me acolheu. Eu estava tendo um dia muito ruim e depois daquilo, já mudou o meu espírito. Não sabemos o que as pessoas enfrentam diariamente, por isso acredito que sorrir, de forma sincera, torna o dia delas melhor. Nada mais é do que uma atitude de amor”, afirma.

Efeito positivo

De acordo com a psicóloga Karin, sorrir também tem outros efeitos positivos que podem ajudar até a encarar problemas de saúde ou outras situações adversas: “Manter o sorriso e a positividade libera o hormônio que reduz o índice de estresse, o que auxilia na recuperação de muitas doenças. O ato de sorrir é um exercício mental de positividade, que ajuda nosso organismo a se manter ativo e desempenhando suas funções vitais. Além disso, quando sorrimos, estimulamos o cérebro a liberar serotonina e endorfina, substâncias responsáveis pela sensação de prazer e felicidade”, explica.

Um auxílio para a cura


A técnica em enfermagem Bárbara Almeida (foto acima), de 58 anos, tem uma profissão extremamente estressante, atendendo crianças em uma UTI pediátrica hospitalar. Ela procura sempre estar de bom humor, dar bom-dia para todos para que as coisas fiquem mais leves. “Não é ficar sorrindo por qualquer coisa. Tanto com os colegas de trabalho quanto com as mães das crianças, eu acho que o sorriso funciona bastante. O fato de sorrir tanto para as crianças quanto para as mães, de alguma forma, ajuda na cura delas. Para mim, tem tudo a ver. Acredito que com fé em Deus de que aquele momento vai passar, aliado a uma palavra de conforto e um sorriso, tudo dá certo. Vejo muitos casos de crianças que estavam ali e, no plantão seguinte, já não estão mais entubadas ou no oxigênio. Alguns plantões depois, recebem alta, é uma alegria. É claro que o sorriso não é o único responsável pela cura, mas acredito que ele ajuda nessa mudança de enxergar melhor a vida”, analisa.


  • Por Eduardo Prestes/ Fotos: Fotolia e Demetrio Koch 


reportar erro