Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 12 de novembro de 2017 - 02:05


Qual veneno o seu prato esconde?

Pesquisa divulgada pelo Greenpeace mostra que 36% dos alimentos possuem agrotóxicos em nível acima do permitido

Você sabe o que você come? Um levantamento inédito divulgado pela organização ambiental Greenpeace revelou que 36% dos alimentos comercializados nas cidades de São Paulo e Brasília possuem resíduos de agrotóxicos acima do limite permitido. O estudo mostrou ainda a presença de resíduos que são proibidos no Brasil.

A análise, feita pelo Laboratório de Resíduos de Pesticidas do Instituto Biológico de São Paulo, considerou alimentos como arroz branco e arroz integral, feijão-preto e feijão-carioca, pimentão verde, mamão formosa, tomate, couve, laranja, café, banana-nanica e banana-prata.

Os itens foram divididos em 50 amostras e, desse total, 30 continham resíduos tóxicos e 13 apresentavam resquícios de agrotóxicos não permitidos no País. Em duas amostras de pimentão – uma de cada cidade –, por exemplo, foram encontrados sete tipos de resíduos e alguns até mesmo proibidos para uso nesse alimento.

Um dos grandes riscos observados por especialistas é a interação dessas substâncias. Um verdadeiro “efeito coquetel”, pois não se sabe o que a mistura dessas moléculas pode gerar ao corpo humano.

Outro exemplo que chamou a atenção foi a análise do mamão. Três das quatro amostras da fruta indicaram o “efeito coquetel”, com a presença de resíduos de diferentes pesticidas. Em duas delas foram encontradas a presença da substância “procloraz”, proibida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) desde fevereiro de 2016.

Perigos

Os alimentos analisados foram adquiridos em duas cidades brasileiras, mas o Greenpeace sinaliza que o cenário não é diferente em outras regiões do País. Os perigos são enormes e diversos estudos indicam que os agrotóxicos podem causar alterações hormonais e reprodutivas, danos hepáticos e renais, disfunções imunológicas, cânceres, entre outros problemas. Sem contar os danos que o uso desordenado pode gerar aos ecossistemas, comprometendo a vida de diversas espécies de fauna e da flora. Vale destacar que o Brasil, desde 2008, é o País líder em uso de agrotóxicos.

A falta de fiscalização adequada por parte dos órgãos reguladores impede que o uso limitado e permitido dessas substâncias seja cumprido. Dessa forma, a utilização de agrotóxicos que sustentam um modelo industrial de produção é feita de forma desordenada e, por consequência, traz prejuízos à saúde pública. O consumidor não sabe, de fato, o que está levando para a mesa e oferecendo à família.

Limpeza

Para evitar a ingestão de agrotóxicos, é adequado consumir frutas e hortaliças orgânicas. Elas são livres de pesticidas, mas possuem um custo muito alto. Por isso, caso não seja possível adquiri-las, é importante manter alguns cuidados na hora do consumo. Lave bem o alimento, deixe-o de molho em solução de 1 litro de água e uma colher de sopa de bicarbonato de sódio por cerca de 30 minutos. Enxague bastante. Esse cuidado pode reduzir a presença dos aditivos e diminuir a incidência de contaminação. Cuide sempre da sua saúde e da qualidade dos produtos adquiridos.

Dez frutas e legumes com maior teor de agrotóxicos

Levantamento da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) avaliou 2.488 amostras de 18 tipos de alimentos. Confira, ao lado, o percentual das amostras inadequadas para o consumo de acordo com o alto teor de pesticidas

1º Pimentão 90%
2º Morango 63,4%
3º Pepino 57,4%
4° Alface 54,2%
5º Cenoura 49,6%
6° Abacaxi 32,8%
7º Beterraba 32,6%
8° Couve 31,9%
9º Mamão 30,4%
10º Tomate 16,3%

Fonte: Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos de Alimentos (Para), da Anvisa


  • Por Redação / Fotos: Fotolia  


reportar erro