Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 29 de julho de 2018 - 03:05


Qual tem sido o seu desempenho em campo?

Muitos homens que criticaram o trabalho do Brasil na Copa esquecem de seu rendimento em casa, no trabalho, com familiares e amigos

A Copa do Mundo de Futebol acabou. Você já sabe disso. Se em todo o planeta pessoas de vários países reservaram algum tempo para torcer por suas seleções, aqui, no País da Bola, não foi diferente. Como em outras datas nas quais o Brasil tende quase a parar, os dias durante esse evento se tornaram mais curtos cada vez que a seleção brasileira jogava. Nas rodas de conversa entre amigos, o assunto parecia ser somente sobre futebol, seleção e tudo que girava em torno disso.

Frustração

No trabalho, amigos participaram de bolões, colocando seus palpites para os jogos da Copa da Rússia. No início, o time brasileiro não parecia empolgado, mas conseguiu se classificar para a fase eliminatória depois de um empate e duas vitórias. No primeiro mata-mata, ao vencer o jogo contra o México, boa parte das pessoas se animou. Muitas acreditavam que o Brasil estaria ao menos na final ou até que fosse o vencedor do Mundial. Mas quando a seleção brasileira foi eliminada, depois de perder para a Bélgica nas quartas-de-final, a ilusão de viver um momento vencedor por meio dos jogadores brasileiros se encerrou. A frustração tomou conta de várias pessoas.

Diante disso, vale uma pergunta: você é um dos que criticaram o jogador considerado o craque do time – aquele que ficou mais tempo rolando no chão do que jogando (e não correspondeu às suas expectativas) e a seleção acabou eliminada – ou você não assistiu aos jogos porque não concorda com os salários astronômicos que atletas como ele ganham? Antes de responder, não esqueça de levar em consideração que o futebol se tornou um grande negócio e talvez já nem seja mais o esporte do povo como imaginávamos antigamente.

Realidade

Na verdade, isso nem importa. O que interessa é que quando as pessoas voltam à realidade depois que a Copa acaba, como se o tubo da anestesia que antes estava ligado a elas tenha sido desligado subitamente, elas têm de encarar a vida. Nesse instante, a dor pode surgir, pois esse é o momento da verdade, do jogo da vida, da sobrevivência, das contas a pagar e da real busca pela felicidade.

Por isso, é importante se perguntar quais são as suas prioridades. Como você está tratando sua vida? Está cuidando da sua família? Você é realmente o líder que sua esposa e seus filhos necessitam? E, caso você não seja esse homem, o que está fazendo para mudar e se tornar um exemplo? Você se prepara para isso? Estuda ou busca se aprimorar na sua profissão o tempo todo ou para tocar o seu negócio da melhor forma possível? E mais: está cuidando da sua saúde? Essa última questão pode até parecer estranha, mas não é. Pense um pouquinho: se você não estiver em plenas condições, como vai cuidar de quem você ama? Como vai trabalhar para sustentar quem depende de você? Como vai sobreviver? Terá forças para se preparar e enfrentar a luta diária que é viver?

Sem ilusões

Antes de criticar o seu jogador preferido ou qualquer outra pessoa, avalie sua vida. Compreenda que, antes de fazer o seu comentário sobre quem quer que seja – colegas, amigos, clientes ou familiares –, é preciso fazer uma autoanálise e saber quem você é, quem quer ser e o que deseja para a sua vida. Entenda isso primeiro. Depois, elabore seus planos, se estruture e cresça. Isso, com certeza, é o mínimo que você pode fazer para conquistar a sua vitória.

Cuidado com as distrações

Quando você determina uma mudança em sua vida, precisará de foco. Se desviar seus olhos do objetivo, suas forças para alcançá-lo diminuirão. Cuidado com as distrações. Pessoas que dizem “eu não consigo” normalmente sofrem mais por falta de foco do que por ausência de capacidade. Veja mais aqui.


  • Por Eduardo Prestes / Foto: Reuters 


reportar erro